Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/47086

TitleA contadora perdeu a voz: imprensa ilustrada infantojuvenil, banda desenhada e mutação do regime do entretenimento caseiro na Belle Époque“
Author(s)Álvares, Cristina
KeywordsBanda desenhada
Imprensa infantojuvenil
Imagens
Narração oral
Entretenimento no lar
Comics
Illustrated youth magazines
Pictures
Oral storytelling
Home entretainment
Issue date2016
JournalDiacrítica -Série Ciências da Literatura
CitationÁlvares, C. (2016) “A contadora perdeu a voz. Imprensa ilustrada infantojuvenil, banda desenhada e mutação do regime do entretenimento caseiro na Belle Époque“, Diacrítica, 30, 3 p.119-130.
Abstract(s)O artigo examina a mutação do dispositivo de transmissão e receção de histórias, causada pela introdução, nos lares da Belle Époque, da imprensa ilustrada infantojuvenil, espaço do desenvolvimento da banda desenhada como nova arte narrativa. Partindo da representação da cena de narração de contos que abre o livro de Contes de Perrault, comparamos outras imagens desta cena em livros de contos posteriores, assim como em periódicos ilustrados, para avaliarmos como as mudanças de medium implicam uma progressiva desperformatização e desvocalização do acesso de crianças e jovens à ficção. Mostramos que a sequência cronológica destas imagens dá nos conta das alterações que o entretenimento caseiro conheceu desde o fim do século XVII até ao início do século XX, e que essas alterações fazem parte do processo de deslegitimação da tradição oral pela cultura do impresso e da imagem (livro, revista, jornal, cartaz). Em 1900 esse processo traduz-se no deslocamento para as indústrias culturais da competência narrativa das camponesas (amas, governantas, criadas). Bécassine, personagem fundadora da BD, é o símbolo desse deslocamento.
This article analyses the changes which affected the system of transmission and reception of tales, following the introduction of the illustrated youth press in the Belle Époque’s households, leading to the emergence of comic strips. Starting with the representation of the oral storytelling opening scene of the book Contes de Perrault, we have managed to compare images from other fairytales and illustrated journals so as to evaluate how changes in the medium entail a progressive loss of performatization and vocalization in the access children and youth have to fiction. Our aim is to show that the historical sequence of these images highlights the changes that home entertainment underwent from the end of the 17th century until the beginning of the 20th century. This occurs within the scope of the delegitimation of oral tradition by printed documents (books, magazines, newspapers, posters), following a process which resulted in transferring the narrative competence associated with peasant women (nursemaids, governesses, housemaids) to the cultural industries, back in 1900. Bécassine, the first female character in the history of comics, is the symbol of that transfer.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/47086
ISSN0870-8967
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CEHUM - Artigos publicados em revistas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Diacritica_30-3 (3).pdf154,07 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID