Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/46222

TítuloTer um filho gay: (des)ordem de género, erotismo e sexualidade
Autor(es)Brandão, Ana Maria
Palavras-chaveSexualidades não normativas
Género
Representações
Família
Non-normative sexualities
Gender
Representations
Family
Data2017
EditoraAssociação Portuguesa de Sociologia
CitaçãoBRANDÃO, Ana Maria (2017), “Ter um Filho Gay: (Des)ordem de género, erotismo e sexualidade”, in Portugal, Território de Territórios: Atas do IX Congresso Português de Sociologia, Lisboa, Associação Portuguesa de Sociologia, pp. 1-11 [online), disponível: http://aps.pt/ix_congresso/docs/final/Semi-plenaria_Genero,%20norma%20e%20desordem_Ana%20Brandao.pdf
Resumo(s)Na modernidade tardia, a sexualidade constituiu-se como forma de expressão e realização pessoais. O processo de autonomização da sexualidade criou novas categorias de pessoas, definidas pelas suas práticas sexuais e, em particular, pelo objeto do seu desejo. Porém, se é verdade que a sexualidade surge, hoje, pelo menos relativamente desligada do género, não está, todavia, em causa um desligamento completo, mas antes dimensões que se intersectam e cujos contornos e pontos de ligação nem sempre são claros. Partindo dos dados de um projeto de investigação em curso, procura-se debater esta questão, sublinhando a presença persistente do género nas representações da sexualidade. Embora o objeto central de análise desse projeto sejam os efeitos da revelação de uma identidade sexual não normativa (i.e., gay, lésbica, bissexual ou queer) de um/a filho/a nas identidades parentais, os dados recolhidos até ao momento sugerem que, entre as questões que mais parecem perturbar os progenitores, se encontram, precisamente, as que sugerem uma violação da sexualidade normativa. Mas o que essa violação simbolicamente traduz são, essencialmente, as dificuldades suscitadas pela rutura com a ordem de género.
In late modernity, sexuality has become a form of personal expression and self-fulfilment. The process of autonomization of sexuality gave birth to new kinds of people defined by their sexual practices and particularly by the object of their desire. If today sexuality appears at least partly dissociated from gender this does not equate to a full separation; these are two intersecting dimensions whose outlines and connecting points are often unclear. This presentation debates this issue based on data from an ongoing research project, which highlight the persistent presence of gender in representations of sexuality. Although the object of this project are the effects of a an offspring’s coming out as gay, lesbian, bisexual or queer on parental identities, the data collected so far suggest that topics denoting a violation of normative sexuality are among the most troubling issues for parents. But what this violation symbolically stands for are fundamentally the difficulties evoked by the disruption of the gender order.
TipopanelPresentation
DescriçãoComunicação por convite apresentada na Sessão Semiplenária "Género, norma e (des)ordem" no dia 7 de julho.
URIhttp://hdl.handle.net/1822/46222
ISBN978-989-97981-3-7
Versão da editorahttp://aps.pt/ix_congresso/docs/final/Semi-plenaria_Genero,%20norma%20e%20desordem_Ana%20Brandao.pdf
Arbitragem científicano
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CICS-UMINHO - Atas/Proceedings

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
IX Congresso_APS.pdf356,14 kBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis