Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/46204

TítuloPlaying the transatlantic card: the British anti-lynching campaigns of Ida B. Wells
Outros títulosJogando a cartada transatlântica: as campanhas anti-linchamento britânicas de Ida B. Wells
AutorPaisana, Joanne
EditorMendes, João Carlos Ribeiro Cardoso
Palavras-chaveIda B. Wells
Anti-lynching
Catherine Impey
Frances Willard
Lady Henry Somerset
Linchamento
Movimento temperance
Data2016
EditoraHúmus
ResumoThis paper shows the effectiveness of nineteenth-century transatlantic social campaigns, highlighting the usefulness of using existing reform networks for one black American female agitator in particular, Ida B. Wells. Wells’ 1893 and 1894 British anti-lynching campaigns aimed to raise public awareness and consequently support in Britain for stamping out lynching in America and thereafter to galvanize Americans into doing the same. She was supported by Catherine Impey and temperance campaigners, among others. The very popular American temperance and woman’s rights advocate, Frances Willard, convalescing in England at the time of Wells’ campaigns, was accused by Wells of not speaking out sufficiently against lynching in the American South. Supported by her stalwart friend and host Lady Henry Somerset, the Willard/Somerset partnership countered Wells and her British supporters. The dispute had consequences in Britain and America.
Este ensaio demonstra a eficácia das campanhas transatlânticas conduzidas por mulheres em finais do século dezanove, sublinhando a utilidade do recurso a redes reformistas previamente existentes para as causas duma ativista negra americana em particular, Ida B. Wells. As campanhas britânicas contra o linchamento conduzidas por Wells em 1883 e 1884 tinham como objetivo chamar a atenção do público britânico, e consequentemente conseguir apoio, para a causa da abolição da prática de linchamento nos Estados Unidos e assim encorajar os cidadãos americanos a fazer o mesmo. Wells contou com o apoio de Catherine Impey e outros ativistas do movimento pro-temperance. A ativista americana a favor dos direitos das mulheres e pro-temperance Frances Willard, figura muito popular que, na altura das duas campanhas de Wells, se encontrava a convalescer em Inglaterra, foi criticada pela última por não denunciar de modo mais veemente o linchamento no Sul dos Estados Unidos. Apoiada pela sua amiga e anfitriã de longa data Lady Henry Somerset, a parceria Willard/Somerset ripostou a argumentação de Wells e seus apoiantes. Esta disputa teve consequências tanto na Grã-Bretanha como nos Estados Unidos.
Tipoarticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/46204
ISSN0807-8967
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CEH - FC - Artigos (Papers)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Playing the Transatlantic card the British anti-lynching campaigns of Ida B. Wells, JPaisana.pdf136,52 kBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis