Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/44638

TitleA diferenciação cognitiva na infância: um estudo de perfis cognitivos aos 5, 7 e 9 anos
Other titlesCognitive differentiation during childhood: A study on cognitive profiles of 5, 7, and 9-year-old children
Author(s)Martins, Ana A.
Soares, Diana L.
Brito, Lurdes
Lemos, Gina C.
Alves, Ana F.
Almeida, Leandro S.
KeywordsAptidão cognitiva
Infância
Inteligência
Quociente de inteligência
Cognitive ability
Childhood
Intelligence
Intelligence quotient
Issue dateJan-2017
PublisherPontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCC)
JournalEstudos de Psicologia (campinas)
Abstract(s)No seio do debate sobre se a inteligência é mais bem definida por um fator geral ou por aptidões específicas, ganha relevância a hipótese da diferenciação cognitiva. Análises recentes enfatizam o interesse dessa questão para a investigação e alertam para a relevância das suas implicações na área educativa. Este estudo analisou a possibilidade de a diferenciação das aptidões cognitivas ocorrer já na infância e também o efeito moderador do Quociente de Inteligência na magnitude da relação entre as habilidades cognitivas. Aplicou-se uma bateria de provas que avaliam várias funções cognitivas a uma amostra de 231 crianças com 5, 7 e 9 anos, distribuídas por três grupos de desempenho cognitivo. Os resultados de uma análise de clusters hierárquica e de uma análise de variância apontam para a não diferenciação das funções cognitivas na infância. Contudo, uma análise mais cuidadosa aponta para alguma diferenciação suportada pela heterogeneidade dos perfis cognitivos junto dos alunos com Quociente de Inteligência elevado.
Within the debate about whether intelligence is best defined by a general factor or specific skills, the hypothesis of cognitive differentiation gains relevance. Recent analyses have emphasized the importance of this issue in the investigation of cognitive skills and have highlighted its implications in education. This study examined the possibility that the differentiation of cognitive abilities may occur during childhood and investigated the moderating effect of Intelligence Quotient on the magnitude of the relationship between cognitive abilities. A battery of tests for assessing cognitive function was administered to 231 children aged 5, 7, and 9 years old, who were divided into three cognitive performance groups. The results of hierarchical cluster analysis and variance analysis indicate the lack of differentiation of cognitive functions during childhood. However, a more careful analysis suggests some differentiation supported by the heterogeneity of cognitive profiles among students with high Intelligence Quotient.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/44638
DOI10.1590/1982-02752017000100009
ISSN0103-166X
e-ISSN1982-0275
Publisher versionhttp://dx.doi.org/10.1590/1982-02752017000100009
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CIEd - Artigos em revistas científicas internacionais com arbitragem

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1-2017_Diferenciação cognitiva na infância.pdf143,06 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID