Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/43844

TitleA comunicação interna e a saúde laboral: Estratégias e práticas das organizações
Author(s)Lemos, Armanda Eulália Lopes
Advisor(s)Machado, José Manuel Sá Cunha
Ruão, Teresa
KeywordsComunicação Organizacional
Comunicação Interna
Saúde Laboral
Organizações
Organizational Communication
Internal Communication
Health at workplace
Organizations
Issue date21-Oct-2016
Abstract(s)Nas últimas décadas, as abordagens interpretativas e críticas à comunicação nas organizações, preconizadas por Linda Putnam e Michael Pacanowski (1983), Dennis Mumby (1988), Harold Goodall (1989), Michael Pacanowski e Nick O’Donnell-Trujillo (1990), Stanley Deetz (1992), apontavam para perspetivas centradas no significado, especialmente as que se preocupavam com o papel constitutivo da comunicação na formação da realidade organizacional e as que procuravam estudar como é que a comunicação serve interesses de alguns grupos organizacionais mais do que outros. Perante este posicionamento teórico, compreender a dinâmica da Comunicação Interna nas organizações impôs-se como um fator determinante, não só pelo sentido de análise da comunicação em si mesma, perante a ordem organizacional instituída, mas também pelos aspetos mais práticos de disseminação de informação. Há ideias que apontam para a necessidade de formar e investir em Comunicação Interna nas organizações, na comunicação em saúde no trabalho e na sensibilização dos trabalhadores para que procurem os meios necessários no sentido de expor o que acontece no seu local de trabalho. Embora a informação se encontre disponível para todos, a possibilidade de aceder à informação, dentro da organização, não é igual para todos. O objetivo central deste trabalho é o de construir um modelo de base teórica para compreender o modo como as empresas desenvolvem a área da Comunicação Interna e perceber se o tema da Saúde Laboral faz parte das suas estratégias de comunicação. A este propósito, de acordo com várias investigações desenvolvidas, a informação, a sensibilização e a formação influenciam, positivamente, a utilização de instrumentos de proteção individual e a saúde no local de trabalho (Areosa, 2003, 2007; Salazar et al., 2001; Carapinheiro, 1998; Arezes, 2002; Cossette, 2003; Roy, 2003; Herrick, 2000; Graça, 2004; Salavessa & Uva, 2007). Através desta investigação queremos perceber como a Comunicação Interna é integrada e assumida pelos indivíduos nas organizações e se a temática da Saúde Laboral tem importância e é estratégica para a empresa. Ao nível empírico, optamos por estudar um setor de atividade com forte representatividade na região do Ave, com a classificação de atividade económica de 13 e 14, a saber: fabricação de têxteis e indústria do vestuário, respetivamente. Os resultados apontam para importância da Comunicação Organizacional e mostram que a Comunicação Interna deve ser aberta, participativa e direta, baseada numa estratégia; e a comunicação em Saúde Laboral reflete-se nas práticas profissionais e resulta da importância dada pelas empresas à área da saúde no trabalho.
Over the last decades, the interpretative and critical approaches to communication in organizations, proposed by Linda Putnam and Michael Pacanowski (1983), Dennis Mumby (1988), Harold Goodall (1989), Michael Pacanowski and Nick O’Donnell-Trujillo (1990), Stanley Deetz (1992), pointed to perspectives centered on the meaning, especially those that focused on the constitutive role of communication in the conception of the organization reality and those that sought to study how communication can support the interests of some groups more than others. On the grounds of this theoretical positioning, understanding the dynamics of Internal Communication in organizations has become an essential factor, not only for the analysis of communication on itself, within the established organizational order, but also for the more practical aspects of information dissemination. Some ideas suggest the need to instruct and invest in Internal Communication in organizations, in health communication at work, and in the awareness of the employees to promote the search for the necessary means to expose what happens in their work environment. Although the information is available for everybody, the possibility to access information within the organization is not the same for everybody. The central aim of this work is to create a theoretically-based model to understand how companies developed the area of Internal Communication and understand whether the topic of Health at workplace is part of their communication strategies. In this subject, and in accordance with several studies, the information, the awareness and the level of education positively influence the use of individual protection instruments and the Health at workplace (Areosa, 2003, 2007; Salazar et al., 2001; Carapinheiro, 1998; Arezes, 2002; Cossette, 2003; Roy, 2003; Herrick, 2000; Graça, 2004; Salavessa & Uva, 2007). Through this research we want to understand how Internal communication is integrated and perceived by the individuals in organizations and whether the topic of Health at Workplace is important and is a strategy of the company. Empirically, we decided to study a sector with a large representativity in the region of Ave, with a classification of 13 and 14 of economical activity, namely: production of textiles and clothing industry, respectively. Results suggest the importance of Organizational Communication and demonstrate that the Internal Communication should be open, participatory and direct, based on a strategy; and communication in Health at Workplace is reflected in professional practices and results from the importance attributed by companies to health at work.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de Doutoramento em Ciências da Comunicação
URIhttp://hdl.handle.net/1822/43844
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento
CECS - Teses de doutoramento / PhD theses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Armanda Eulalia Lopes Lemos.pdf4,93 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID