Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/43472

TitleDa geometria como fundamento nas operações iniciais de projecto. Análise do processo gráfico num exercício académico de projecto de arquitectura
Other titlesFrom Geometry as the basis in the initial project operations. Graphic process analysis in an academic exercise of architectural project
Author(s)Rodrigues, Ana Luísa Jardim Martins
Almeida, Paulo Oliveira Freire
KeywordsProjecto
Geometria
Processo gráfico
Project
Geometry
Graphic process
Issue date2014
PublisherUniversidade do Porto. Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade (I2ads)
Abstract(s)O texto proposto baseia-se na análise de processos gráficos de alunos no contexto didáctico de um exercício iniciático do curso de arquitectura, desenvolvendo a organização do espaço à escala da cidade. O processo gráfico na arquitectura decorre da necessidade de visualização, mas desenvolve-se porém sobre uma sintaxe abstracta e especializada. No contexto deste exercício à escala urbana e de escassas competências ao nível da representação, essa especialização decorre do uso da geometria para resolver problemas de projecto, promovendo as transformações sobre a matriz – planta – rigorosa. Essa será a abordagem do espaço vazio sem relação com a escala humana, segundo uma simplificação da sintaxe espacial: cheios, vazios, adjacências, acessos, aberturas, obstáculos; e correspondendo a uma sintaxe gráfica igualmente abstracta de formas desincorporadas: tramas, linhas de trajecto e ligação, sublinhados e cores arbitrárias. No contexto da escala da cidade, as representações cenográficas são pouco operativas. Em parte, porque a maqueta oferece a leitura de volume e tridimensionalidade necessárias, e também, porque o “esquisso”, tende a representar parcelas. As consecutivas reduções de escala introduzem a dimensão humana e, na presença do observador, a perspectiva, a mancha e a cor, resgatam o processo da abstracção inicial para a figuração dos volumes, mas também dos elementos: a luz, a água, a floresta. A sequência indicada corresponde genericamente à evolução do desenho no processo: da abstracção à figuração. Todavia, no contexto da escala urbana e deste exercício, argumenta-se e pretende-se demonstrar a necessidade da geometria rigorosa nas operações do projecto, numa fase matricial de processo de concepção. Contrariando abordagens meramente intuitivas, defende-se a necessidade de regulação métrica e dedução rigorosa da relação entre volumes não ortogonais entre si. A ausência desse rigor tornará as decisões inconsistentes ao nível da solução de problemas de organização do espaço, conduzindo a uma redução da complexidade e da pesquisa processual.
The proposed text is based on the analysis of graphic processes of students in a didactic context of an initiatic exercise of the course in architecture, developing the organization of space at the city scale. The graphic process in architecture is the need for visualization, but develops on a specialized and abstract syntax. In the context of this exercise on an urban scale and scarce skills in the representation, this specialization comes from the use of geometry to solve design problems, promoting the transformations on the rigorous matrix – plant. That will be the approach of empty space unrelated to human scale, according to a simplification of space syntax: fullness, voids, surroundings, accesses, openings, obstacles; and corresponding to a graphical syntax also disembodied abstract shapes: frames, lines route and binding, and underscores arbitrary colors. In the context of the scale of the city, the s cenographic representations are little operative. Partly because the scale model offers the necessary reading of volume and three-dimensionality and also because the "sketch" tends to represent plots. The successive reductions of scale introduce the human dimension and, in the presence of the observer, the perspective, the stain and the color, recovers the initial process of abstraction to figuration of volumes, but also the elements: light, water, forest. The sequence shown corresponds generally to the evolution of the design process: from abstraction to figuration. However, in the context of urban scale and in this exercise, it is argued, and we intend to demonstrate the need for rigorous geometry on the project operations, in a matrix phase of the design process. Contradicting approaches merely intuitive, one defends the need for metric regulation and rigorous deduction of the relationship between volumes not mutually orthogonal. The lack of that rigor will make the decisions inconsistent in terms of solving problems of organization of space, leading to a reduction of complexity and research process.
TypeConference paper
DescriptionPublicado em "Drawing in the university today". ISBN 978-989-97856-6-3
URIhttp://hdl.handle.net/1822/43472
Publisher versionhttp//:www.i2ads.org./dut2013
Peer-Reviewedyes
AccessRestricted access (UMinho)
Appears in Collections:EA - Comunicações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Da Geometria como Fundamento nas Operações Iniciais do Projecto.pdf
  Restricted access
3,6 MBAdobe PDFView/Open    Request a copy!

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID