Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/43262

TitleAvaliação do transporte sedimentar no estuário do rio Douro em diferentes cenários hidrodinâmicos
Author(s)Almeida, João
Pinho, José L. S.
Venâncio, Stênio S.
Vieira, J. M. Pereira
KeywordsDelft3D
Estuário do rio Douro
Modelação morfodinâmica
Transporte sedimentar
Issue dateOct-2015
CitationAlmeida J., Pinho J. L. S., Venâncio S., Vieira J. M. P. AVALIAÇÃO DO TRANSPORTE SEDIMENTAR NO ESTUÁRIO DO RIO DOURO EM DIFERENTES CENÁRIOS HIDRODINÂMICOS, VIII Congresso sobre Planeamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa, pp. 1-14, 978-989-8509-12-3, 2015
Abstract(s)A bacia hidrográfica do rio Douro é a mais importante fonte sedimentar fluvial na costa NW Portuguesa. Durante as últimas décadas, verificou-se uma diminuição significativa de sedimentos principalmente devido à alteração das descargas fluviais, provocadas pela construção de barragens. O estuário superior é estreito e tem uma profundidade normalmente superior a 10 m. No estuário inferior a largura aumenta e a profundidade diminui, só ultrapassando os 10 m excecionalmente no canal principal, o qual permanece confinado à margem norte. Na embocadura, está localizado o banco de areia do Cabedelo disposto perpendicularmente ao eixo do estuário, confinando o escoamento ao canal estreito junto à margem norte. O Cabedelo é um banco arenoso sendo a sua forma modulada pelo regime de agitação e pelo escoamento fluvial e pela maré. Em situações de cheia, para caudais da ordem dos 10000 m3/s o banco era galgado e destruído pelo escoamento, sendo reconstruído progressivamente pelo escoamento depois de terminada a cheia. Te m - se constatado que ao longo do tempo o banco de areia tem migrado para montante no estuário. Foi construído um modelo tridimensional morfodinâmico do estuário com o programa Delft3D, constituído por 12267 células de cálculo por camada, tendo - se utilizado dez camadas na discretização vertical. Apresentam-se os resultados para a dinâmica sedimentar em função das condicionantes hidrodinâmicas como o caudal fluvial e a amplitude da maré. A descarga fluvial apresenta-se como fator chave para a exportação de sedimentos para a plataforma costeira, sendo que nos cenários de cheia a morfologia do estuário é completamente modificada. Os resultados obtidos são naturalmente condicionados pelas características dimensionais dos sedimentos transportado
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/43262
ISSN978-989-8509-12-3
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:C-TAC - Comunicações a Conferências Nacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2417-1A4_Artigo_124.pdf1,13 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID