Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/43226

TitlePerspetivas sobre a diversidade cultural: vivências, discursos e representações da interculturalidade
Other titlesPerspectives on cultural diversity: experiences, discourses, and representations of interculturality
Author(s)Oliveira, Francine
Advisor(s)Cabecinhas, Rosa
Ferin, Isabel
KeywordsDiversidade cultural
Interculturalidade
Relações intergrupais
Auto e hetero imagens
Cultural diversity
Interculturality
Intergroup relations
Self-image and hetero-image
Issue date21-Jul-2016
Abstract(s)Este trabalho tem como objetivo analisar discursos e representações da Interculturalidade e da Diversidade Cultural no contexto do ensino superior português. O percurso de pesquisa compreendeu as seguintes fases: (i) deslindar os conceitos oficiais destes termos e (ii) entrevistar estudantes portugueses e estrangeiros oriundos de países de língua oficial portuguesa a frequentar o ensino universitário em Portugal. A escolha pelos estudantes provenientes de diferentes países, mas a partilhar um espaço comum (ensino superior português), possibilitou obter um público-alvo com vivências e referenciais culturais, ora distintos, ora coincidentes. A primeira fase delineou um mapeamento dos discursos oficiais sobre o tema da Diversidade Cultural e da Interculturalidade, com foco na realização de uma breve caracterização da documentação da UNESCO sobre a cultura. A segunda fase, partindo da definição dos referidos conceitos, procura perceber como, na prática, são vivenciados. Para tal, propõe-se uma análise dos discursos dos entrevistados a fim de se compreender, através dos seus relatos, como percecionam as interações culturais. O estudo procura ainda perceber se esses estudantes consideram haver, nas suas relações com pessoas de diferentes culturas, uma “interculturalidade”. Pretende-se analisar, a partir das interações culturais que os estudantes relataram ter tido no âmbito estudantil e nas relações sociais quotidianas, como compreendem o tema da diversidade cultural. Para tal, a partir de guiões semiestruturados, foram utilizadas as técnicas de Entrevistas Individuais em Profundidade e Grupos Focais. Essa fase, realizada em universidades públicas e privadas em Lisboa, Coimbra e Braga, teve em conta que estas são regiões com importante presença universitária e onde habita um número significativo de estudantes advindos, inclusive, de programas de intercâmbio ou de protocolos entre países de língua oficial portuguesa. Na fase da análise, procurou-se verificar quais eram as conceções dos entrevistados sobre as interações entre grupos de diferentes nacionalidades e analisar os seus discursos sobre a Diversidade Cultural e a Interculturalidade. Efetuou-se uma Análise Temática (Braun & Clarke, 2006; 2012; 2013) dos dados recolhidos nas entrevistas. Para a composição do corpo teórico e compreensão das categorias temáticas despontadas nos discursos dos entrevistados, alicerçamo-nos em teorias sobre as representações sociais (Moscovici, 1961), aculturação (Berry, 1997b; 1997a; Berry et al., 2012), identidade social (Tajfel, 1974; 1982), auto-categorização (Turner, 1987), sem desconsiderar os desenvolvimentos mais recentes dessas teorias no âmbito das relações intergrupais (e.g. Chryssochoou, 2004; Hogg & Vaughan, 2010), assim como os estudos sobre os estereótipos sociais (e.g. Fiske, Cuddy, Glick & Xu, 2002). Foi constatado que, para falar de interculturalidade, os entrevistados recorriam regularmente a um certo padrão de construção do discurso sobre o “eu”, o “nós” e os “outros”, enquanto as relações culturais não recebiam o devido destaque, ficando em segundo plano nas discussões. Apurou-se, ainda que, para além da imagem sobre “si próprio” e sobre “o outro”, eram valorizadas questões acerca do país de origem dos entrevistados. A conclusão a que se chegou foi que a noção de cultura é dissemelhante para os diferentes grupos-alvo entrevistados. Os resultados revelam ainda haver dificuldades, por parte dos entrevistados, em compreender e estabelecer uma troca ou partilha cultural. A considerar os conceitos oficiais que definem as terminologias “diversidade cultural” e “interculturalidade” e a pensar nos discursos dos entrevistados acerca das relações intergrupais, na prática, parece não haver a “inter”-cultura, nem a interculturalidade. Observou-se que as construções das auto-imagens e hetero-imagens refletiram posicionamentos em relação ao(s) outro(s) e estariam no cerne da razão para os desentendimentos sobre o(s) outro(s) e, consequentemente acerca do que se perceciona sobre a cultura do outro. Propusemo-nos a construir um modelo que indicasse como se dava o processo de perceção dos discursos (orais) acerca das temáticas que envolvem as relações interculturais, tendo em consideração as relações intergrupais, ao qual denominámos como “Modelo das Relações Interculturais”. Analisando os discursos dos estudantes, constatou-se que o encontro de pessoas de diferentes culturas não gera necessariamente interação e não pressupõe, à partida, que haja, um processo de interculturalidade de alguma das partes. Considerou-se que as imagens – a auto-imagem e a hetero-imagem – são um ponto de partida central para a construção dos discursos acerca do outro. Verificou-se que, da mesma forma, são decisivas para a construção das perceções acerca da diversidade cultural e da interculturalidade.
This dissertation aims at analysing the discourses and representations of Interculturality and Cultural Diversity in the context of Portuguese higher education. The path of this research involves the following phases: (i) make out the official concepts of these terms and (ii) interview Portuguese students and foreign students from Portuguese-speaking countries attending Portuguese university education. The choice of students from different countries, but sharing a common space (Portuguese higher education), made it possible to obtain an audience either with different or similar experiences and cultural references. The first phase outlined a mapping of the official discourse on the theme of Cultural Diversity and Interculturality with the focus on conducting a brief description of UNESCO’s documentation on culture. The second phase, starting from the definition of these concepts, seeks to understand how they are experienced in real life. To do so, we propose an analysis on the discourse of the interviewees in order to understand, based on their reports, how they perceive cultural interactions. The study also seeks to understand whether these students consider having an “interculturality” experience in their relations with people of different cultures. We intend to analyse, from cultural interactions that students reported having had, at the student level and in everyday social relations, how they understand the theme of cultural diversity. To that end, with semi-structured scripts, we used the techniques of Individual In-depth Interviews and Focus Groups. This phase was held in public and private universities in Lisbon, Coimbra, and Braga, took into account that these regions have significant university weight and a significant number of students from exchange programmes or protocols between Portuguese-speaking countries. At the analysis stage, we sought to determine which were the concepts of interviewees on the interactions between groups of different nationalities and analyse their discourses on Cultural Diversity and Interculturality. We conducted a Thematic Analysis (Braun & Clarke, 2006; 2012; 2013) of the data collected in the interviews. For the composition of the theoretical framework and the understanding of the thematic categories identified on the interviewees’ discourses, we founded our research on theories of social representations (Moscovici, 1961), acculturation (Berry 1997b; 1997a; Berry et al., 2012), social identity (Tajfel, 1974; 1982), self-categorization (Turner, 1987) ), without disregarding the latest developments of these theories in the context of intergroup relations (e.g. Chryssochoou, 2004; Hogg & Vaughan, 2010), as well as, studies on social stereotypes (e.g. Fiske, Cuddy, Glick & Xu, 2002). It was found that, to talk about interculturality, the interviewees often resorted to a certain pattern of discourse construction based on "I", "we" and "the others" while cultural relations, were not given due prominence, relegated to the background. We also found that, beyond the image of "self" and of "the other", the questions about the country of origin of the interviewees were valued. The conclusion reached was that the notion of culture is dissimilar for the different target groups interviewed. The results reveal the difficulty for interviewees in understanding and establishing a cultural exchange or sharing. Considering the official concepts that define the terminologies "cultural diversity" and "interculturality" and thinking of the interviewees’ discourses about intergroup relations, in practice, there seems to be no "inter"-culture, nor interculturality. We observed that the constructions of self-images and hetero-images reflected positions in relation to the other(s) and that they would be at the heart of the cause of the disagreements over the other(s) and consequently about what is perceived about the culture of the other. We set out to build a model that would indicate how the process of perception of (oral) discourse about the themes involving intercultural relations unfolded, taking into account the inter-group relations, which we denominated as "Model of Intercultural Relations". Analysing the students’ discourses, it was found that meeting people of different cultures does not necessarily generate interaction and does not assume from the outset that there is an intercultural process of either party. We considered that the images - the self-image and the hetero-image - are a central starting point for building a discourse on the other. We verified that, in the same way, they are decisive for the construction of perceptions about cultural diversity and interculturality.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de Doutoramento em Ciências da Comunicação (área de especialização em Comunicação Intercultural).
URIhttp://hdl.handle.net/1822/43226
AccessEmbargoed access (3 Years)
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento
CECS - Teses de doutoramento / PhD theses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Francine Rodrigues de Oliveira.pdf
  Restricted access
4,71 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID