Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/4299

TitleAtitudes face aos reclusos em guardas prisionais: implicações para a formação do pessoal penitenciário
Other titlesAttitudes towards prisoners expressed by prison guards: implications for training and prison's internal climate
Author(s)Gonçalves, Rui Abrunhosa
Vieira, Sandra
KeywordsAtitudes
Reclusão
Guardas prisionais
Formação
Issue date2005
PublisherDirecção Geral dos Serviços Prisionais
JournalTemas Penitenciários
Citation"Temas Penitenciários". 3:1/2 (2005) 23-28.
Abstract(s)Neste artigo apresentam-se os resultados da aplicação de uma escala de atitudes em relação à reclusão (EARR) a uma amostra de 105 guardas prisionais, procedendo-se de seguida a análises em função de variáveis socio-demográficas e profissionais da amostra. Os resultados salientam as boas qualidades psicométricas da escala e indicam que são os guardas mais idosos e com maior número de anos de serviço que expressam uma atitude mais positiva face aos reclusos. Por outro lado, verifica-se a existência de uma correlação negativa – mas não significativa – entre o grau de habilitações literárias e uma atitude positiva em relação à reclusão. Estes resultados são interpretados à luz das necessidades de formação inicial e contínua dos guardas prisionais, sugerindo-se a introdução da técnica de análise dos incidentes críticos como estratégia para a mudança de atitudes e comportamentos nos guardas prisionais. Implicações para o tratamento penitenciário e o clima interno das prisões são, por fim, referidas.
The authors present the results obtained with the application of a scale designed to measure attitudes towards prisoners (ATPS: Melvin, Koeblitz, & Garner, 1978) in a sample 105 prison guards. The scale revealed a good internal consistency and validity compaired to other samples, either from Portugal or normative data from the authors. However, further studies are needed specially with female officers and a more differentiate sample in terms of academic background. Nevertheless results showed that more aged guards and with more years of service display more positive attitudes towards prisoners than those who younger and less experienced. Implications of these results are considered for initial selection and training of correctional personnel, which tends to be more focused on security issues than on promoting self awareness of internal values, beliefs and attitudes that might have a central role on their future professional role.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/4299
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CIPsi - Artigos (Papers)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
3Atitudesface.osreclusos.pdf109,39 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID