Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/42622

TítuloThe impact of word frequency in the production effect
Outro(s) título(s)O impacto da frequência das palavras no efeito de produção
Autor(es)Borges, Marta Alexandra Sousa
Orientador(es)Albuquerque, Pedro Barbas
Palavras-chaveMemory
Production effect
Distinctiveness
Word frequency
Recognition
Memória
Efeito de produção
Distintividade
Frequência
Reconhecimento
Data2016
Resumo(s)The production effect refers to better recognition of words read aloud when compared to words read silently (MacLeod, Gopie, Hourihan, Neary, & Ozubko, 2010). Distinctiveness heuristic (Dodson & Schacter, 2001; Schacter & Wiseman, 2006) seems to be the stronger explanation appointed for this effect, saying that words read aloud are more distinctive, in the codification and recuperation, than words read silently. In our study, we manipulated not only production but also another distinctive characteristic of words, like its frequency, with the purpose of testing distinctiveness predictions. Many studies about word frequency in recognition tests revealed that low-frequency words are better recognized than high-frequency words (Freeman, Heathcote, Chalmers, & Hockley, 2010; Glanzer & Adams, 1985, 1990; Lohnas & Kahana, 2013), a result that is replicated in our first experiment. In the second experiment, with the manipulation of word frequency and production, we found the production effect and the frequency effect, but not an interaction between both effects. All results were framed in the light of distinctiveness heuristic.
O efeito de produção traduz-se num melhor reconhecimento de palavras lidas em voz alta relativamente a palavras lidas em silêncio (MacLeod et al., 2010). A heurística da distintividade (Dodson & Schacter, 2001; Schacter & Wiseman, 2006) é apontada como uma das explicações mais robustas deste efeito, sendo referido que as palavras lidas em voz alta tornam-se mais distintivas, tanto na codificação como na recuperação, do que as palavras lidas em silêncio. No nosso estudo, para além da leitura em voz alta manipulámos caraterísticas distintivas das palavras, como a sua frequência na língua, com o objetivo de testar as previsões da distintividade. Vários estudos têm revelado que palavras de baixa frequência são melhor reconhecidas do que palavras de alta frequência (Freeman et al., 2010; Glanzer & Adams, 1985, 1990; Lohnas & Kahana, 2013), resultado este que é replicado na Experiência 1. Na Experiência 2, onde foi manipulada a frequência das palavras e a sua produção, verificamos a presença do efeito de produção e de frequência das palavras, mas não uma interação entre ambas. Todos os resultados foram enquadrados na perspetiva da heurística da distintividade.
TipomasterThesis
DescriçãoDissertação de mestrado integrado em Psicologia
URIhttp://hdl.handle.net/1822/42622
AcessoembargoedAccess (3 Years)
Aparece nas coleções:BUM - Dissertações de Mestrado Integrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Marta Alexandra Sousa Borges.pdf1,71 MBAdobe PDFVer/Abrir  Solicitar cópia ao autor!

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis