Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/42584

TítuloElectrophysiological correlates of self-voice processing: Probing the effects of stimulus complexity and attentional demands
Outro(s) título(s)Correlatos electrofisiológicos do processamento da voz do próprio: testando os efeitos da complexidade do estímulo e das demandas atencionais
Autor(es)Magro, Tatiana Magalhães Conde e
Orientador(es)Pinheiro, Ana P.
Gonçalves, Óscar F.
Data1-Jun-2016
Resumo(s)The ability to recognize one’s own voice plays a critical role in successful vocal communication and self-awareness. Nonetheless, the way in which attention and stimulus complexity influence the processing and recognition of self-voice information is still poorly understood. The main goal of the studies presented in this Dissertation was to investigate the electrophysiological correlates of self-voice processing. Particularly, in these studies we aimed at probing whether and how attention and stimulus complexity modulate the processing of self-voice signals. To this end, four experiments were carried out, using the event-related potentials (ERP) method characterized by optimal temporal resolution. The first two experiments (Study 1) examined the electrophysiological correlates of the preattentive processing of self- and non-self voice stimuli varying in complexity. Voice stimuli consisted of a vocalization (vocalization condition) or of a dissyllabic word (word condition). The Mismatch Negativity (MMN) ERP component peaked earlier for the non-self voice relative to the self-voice, irrespective of stimulus type (i.e., vocalization or word). The P3a amplitude was more positive for the non-self compared with the self-voice in the vocalization condition only, whilst for word stimuli no identity-related differences were observed. These findings suggest differences in the time course of preattentive detection of self- and non-self voice stimuli. Furthermore, they demonstrate that the complexity of the voice signal plays a modulatory role in the magnitude of attentional orienting to self- vs. nonself voice stimuli. Study 2 aimed at investigating the electrophysiological correlates of processing selfvs. non-self voice (i.e., word stimuli), when they are in the focus of selective attention. The amplitude of the N2 and P3 components was increased to the self- compared with the nonself voice. These findings suggest that a self-voice (word stimulus) attracts greater attentional resources than a non-self word stimulus, both at earlier and later stages of information processing. Study 3 explored the electrophysiological correlates of processing acoustically simpler self- vs. non-self vocalizations, when attention is focused on voice stimuli. No differences were observed between self- and non-self vocalizations in both the N2 and P3 components. The direct comparison between Studies 2 and 3 confirmed that differences in the attentional processing of self- and non-self voice stimuli emerged as a function of voice stimulus complexity. The studies presented in this Dissertation provide, for the first time, ERP evidence on the role of attention and stimulus complexity on self-voice processing. They specifically suggest that the amount of neural processing resources devoted to one’s own voice depends both on attentional demands (i.e., ignoring vs. attending) and voice signal complexity (i.e., vocalization vs. word). Altogether, these studies provide a more comprehensive picture on the neurocognitive mechanisms underlying self-voice processing.
A capacidade de reconhecermos a nossa própria voz tem um papel fundamental na eficiência dos processos de comunicação vocal e autoconsciência. No entanto, o modo como a atenção e complexidade do estímulo influenciam o processamento e reconhecimento de informação da nossa própria voz é ainda pobremente compreendido. Os estudos apresentados nesta Dissertação tiveram como objetivo principal investigar os correlatos electrofisiológicos do processamento da voz do próprio. Em particular, nestes estudos pretendemos investigar o papel modulatório da atenção e da complexidade do estímulo no processamento de sinais vocais auto-gerados. Para este fim, quatro experimentos foram desenvolvidos, utilizando-se a metodologia de potenciais evocados (ERP) dada a sua excelente resolução temporal. Nos primeiros dois experimentos (Estudo 1), testamos os correlatos electrofisiológicos do processamento pré-atento de estímulos vocais, com complexidade diferencial, gerados pelo próprio e por uma identidade desconhecida. Os estímulos vocais consistiram numa vocalização (condição de vocalização) e numa palavra dissilábica (condição de palavra). O componente de onda Mismatch Negativity (MMN) ocorreu mais cedo para a voz desconhecida do que para a voz do próprio, independentemente do tipo de estímulo (i.e., vocalização ou palavra). A amplitude do componente de onda P3a foi mais positiva para a voz desconhecida do que para a voz do próprio apenas na condição de vocalização, enquanto que para a condição de palavra não foram observadas diferenças relacionadas com a identidade. Estes dados sugerem a existência de diferenças no curso temporal da deteção pré-atencional de estímulos vocais gerados pelo próprio e por uma identidade desconhecida. Por outro lado, estes dados demonstram ainda que a complexidade do sinal vocal desempenha um papel modulatório na magnitude de orientação atencional para estímulos vocais gerados pelo próprio vs. identidade desconhecida. O Estudo 2 teve como objetivo principal investigar os correlatos electrofisiológicos do processamento da voz do próprio vs. voz desconhecida (i.e., estímulo de palavra), especificamente quando os estímulos vocais estão sob o foco da atenção selectiva. A amplitude dos componentes de onda N2 e P3 foi maior para a voz do próprio comparativamente com a voz desconhecida. Estes resultados sugerem que, quer em estágios mais precoces do processamento de informação, quer em estágios mais tardios, a nossa própria voz (estímulo de palavra) atrai maiores recursos atencionais do que uma palavra gerada por uma voz desconhecida. O Estudo 3 explorou os correlatos electrofisiológicos do processamento de vocalizações geradas pelo próprio vs. identidade desconhecida, especificamente quando a atenção está focada em estímulos vocais. Não foram observadas diferenças entre as vocalizações do próprio e da identidade desconhecida no que respeita aos componentes de onda N2 e P3. A comparação directa entre os Estudos 2 e 3 confirmou que as diferenças no processamento de estímulos vocais gerados pelo próprio e por uma identidade desconhecida emergiram como uma função da complexidade dos estímulos vocais. Os estudos apresentados nesta Dissertação proporcionam, pela primeira vez, evidência ERP sobre o papel da atenção e da complexidade do estímulo no processamento da voz do próprio. Especificamente, estes estudos sugerem que a quantidade de recursos neurais de processamento que o cérebro dedica à nossa própria voz depende quer das demandas atencionais (i.e., ignorar vs. atender), quer da complexidade do estímulo vocal (i.e., vocalização vs. palavra). Em conjunto, estes estudos podem contribuir para uma visão mais abrangente dos correlatos neurocognitivos subjacentes ao processamento da nossa própria voz.
TipodoctoralThesis
DescriçãoTese de Doutoramento em Psicologia Básica
URIhttp://hdl.handle.net/1822/42584
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CIPsi - Teses de Doutoramento
BUM - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tatiana Magalhães Conde e Magro.pdf7,16 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis