Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/42328

TitleUm (novo) cuidar: os acompanhantes no Serviço de Urgência
Author(s)Ferreira, Ana Raquel
Gomes, João Fernando Coelho
Martins, Cristina Araújo
KeywordsCuidar
Serviço de urgência
Revisão da literatura
Issue date2016
PublisherJosé de Mello Saúde
Abstract(s)Introdução: A confrontação com o Serviço de Urgência (SU) pode afetar a pessoa (doente) e seus acompanhantes. O SU, pelas caraterísticas de imprevisibilidade, variedade de casos clínicos e necessidade de agir de forma rápida e segura, pode ser visto de forma impessoal e, em acréscimo, potenciar sentimentos negativos, como dor, sofrimento, ansiedade, desconforto e medo da perda, associados às situações clínicas de instalação súbita, com risco ou comprometimento de uma ou mais funções vitais. O enfermeiro, no acompanhamento contínuo ao doente, deve ser capaz de avaliar e intervir nas suas necessidades e nas dos seus acompanhantes, objetivando minorar os efeitos negativos desta transição saúde-doença. Objetivos: O presente estudo pretende: i) identificar as vivências dos enfermeiros do Serviço de Urgência face ao cuidar da pessoa na presença de acompanhantes; ii) identificar as vivências dos acompanhantes da pessoa que recorre ao Serviço de Urgência face à sua inclusão no cuidar; tendo como finalidade poder contribuir para a melhoria das práticas de enfermagem no Serviço de Urgência. Métodos: Revisão da literatura orientada pelas questões de investigação “Quais as vivências dos enfermeiros do Serviço de Urgência face ao cuidar da pessoa na presença de acompanhantes?” e “Quais as vivências dos acompanhantes da pessoa que recorre ao Serviço de Urgência face à sua inclusão no cuidar?”. Para a seleção de estudos recorreu-se à pesquisa em bases de dados eletrónicas, via SciELO e B-on, e no Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal, no idioma português, em torno dos conceitos-chave “família” e “cuidados de enfermagem”; “acompanhantes” e “serviço de urgência”. Foram selecionados 6 artigos, com restrição de data entre 2010 e 2016. Resultados: Os enfermeiros reconhecem que os doentes ficam mais calmos na presença de acompanhantes ou quando sabem que estes estão informados; a sua presença funciona como um apoio e facilita a transmissão de informação. Nesta parceria de cuidados, os enfermeiros sentem-se confiantes, seguros e satisfeitos com as suas práticas. A sobrecarga de trabalho, a falta de recursos e de espaço físico, e a impaciência e exaltação de alguns acompanhantes dificultam esta presença, interferindo na prestação de cuidados. Os acompanhantes crêem que a sua presença é um direito, diminui o sofrimento e providencia conforto. Reconhecem escassez de recursos, falta de organização dos equipamentos e de formação profissional, postura agressiva e distante dos enfermeiros. Contestam o elevado tempo de espera até serem informados ou visitarem o doente, uma das suas principais necessidades. Discussão: Os estudos salientam a importância da inclusão dos acompanhantes no SU, impulsionadora da sua satisfação e da dos profissionais. Apesar dos benefícios desta inclusão serem reconhecidos pelos enfermeiros, na prática esta nem sempre é realizada, o que pode estar relacionado com a sua formação académica e experiência profissional, com a vigência do modelo biomédico e uma conceção de família como contexto e não como alvo de cuidados, ou, ainda, com caraterísticas pessoais de personalidade e de sensibilidade para agir como motor de mudança. A elevada afluência de doentes e acompanhantes desafia os enfermeiros a uma adequação do ambiente para lhes conceder privacidade, intimidade, conforto e garantir o sigilo profissional. Os acompanhantes, centrados apenas no doente, são também desafiados a adotar uma postura calma e colaborante, que facilite e valorize a sua presença no SU. Conclusões: A inclusão dos acompanhantes no SU apela à adoção de estratégias que garantam uma prática especializada, eficaz e baseada na evidência, sem descurar a essência da profissão - o cuidar. A escuta ativa, disponibilidade, simpatia, acolhimento e acompanhamento, prontidão de informação e comunicação assertiva são gestos que, parecendo insignificantes, podem fazer a diferença. A nível organizacional, a formação, reflexão e partilha em equipa podem sensibilizar e envolver os profissionais na mudança que se impõe. Em Portugal, é parca a literatura sobre esta temática. Este estudo constitui um ponto de partida para repensar as políticas e práticas de acompanhamento no SU e fomentar novas investigações.
TypePoster
URIhttp://hdl.handle.net/1822/42328
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:ESE-CIE - Comunicações / Communications

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Um (novo) cuidar_os acompanhantes no Serviço de Urgência.pdfPoster apresentado no I Congresso de Enfermagem da José de Mello Saúde "Enfermagem: A ciência do cuidar"865,2 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID