Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/36641

TitleVisões pós-coloniais à socialista: livros de viagens e de divulgação científico-popular de autores da RDA sobre Angola e Moçambique (1975-1990)
Other titlesPost-colonial visions of socialismo: travel books and scientific-popular writings by GDR authors about Angola and Mozambique (1975-1990)
Author(s)Pinto, Sérgio Lorré Gomes Vieira
Advisor(s)Matos, Mário Manuel Lima de
Issue date10-Apr-2015
Abstract(s)O objeto de reflexão e análise deste estudo consiste numa abordagem crítica das representações de autores da República Democrática Alemã (RDA) em livros de viagens e de divulgação científico-cultural publicados no contexto das relações políticas e culturais entre aquele país e as emergentes nações de Angola e Moçambique após a descolonização. A RDA foi um Estado Socialista que se definiu, entre outras características, pelo intenso empenho na causa do Anti-Imperialismo e do Internacionalismo Socialista. Daí que não surpreenda que tenham surgido, após a descolonização dos PALOP, numerosas iniciativas de cooperação entre a RDA e vários países africanos considerados de peso primordial, como Moçambique e Angola. Simultaneamente, autores da RDA procuraram relatar, nas suas impressões de “viagens de delegação”, aspetos sociais e culturais moçambicanos e angolanos num bem-intencionado discurso solidário e igualitário do “Socialismo Real” que, lido a contra-pêlo, ofuscava, de forma subliminar, a diferença cultural. Mas as narrativas, mesmo sendo diferentes entre si, acabam todas elas por revelar aquilo que podemos chamar de uma peculiar “visão pós-colonial à socialista”. A análise do conjunto de volumes selecionados para o período compreendido (entre 1975, altura em que Angola e Moçambique conquistaram a independência, e 1990, quando a RDA se extingue passando a integrar a Alemanha reunificada) suscita, neste âmbito, várias questões fundamentais: O facto de toda a produção cultural na RDA ser intrinsecamente também um ato político coloca-nos, desde logo, perante a necessidade de entendermos de que forma se refletem, nos livros de viagens e de divulgação científico-popular, os princípios do anticolonialismo, dado tratar-se de uma situação de facto já pós-colonial. Simultaneamente, levanta-se a questão sobre a (im)possibilidade desses mesmos livros poderem conter críticas mais ou menos camufladas ao discurso oficial da “amizade internacional à socialista”, e também críticas ao próprio regime da RDA nas entrelinhas. Por fim, é colocada e analisada a hipótese do discurso do internacionalismo socialista poder ser, no fundo, também eurocêntrico e chauvinista. Na introdução deste estudo é dada uma breve explicação sobre o sentido do título, face ao contexto particular que envolvia as relações da RDA com África, sobretudo marcado pelo cunho socialista dado às visões pós-coloniais, e justificada a sua pertinência. Segue-se um capítulo em que é abordada a questão (pós-)colonial alemã, salientando-se a (curta) memória do colonialismo alemão, a caracterização do estado (semi)soberano da RDA e as motivações que levaram aquele país a considerar a abordagem a África como prioritária. No terceiro capítulo são apresentados, interpretados e comparados os livros que constituem o grupo em análise, com particular destaque para os volumes paradigmáticos de autores como Landolf Scherzer, Ursula Püschel e Jürgen Leskien. Estas análises formais e funcionais dos textos são complementadas, dada a multissecular tradição da técnica de representação bimedial patente no género da literatura de viagens (texto e imagem), no capítulo quarto, por uma abordagem dos conteúdos e das técnicas utilizadas no aproveitamento das imagens. O quinto capítulo fecha o círculo, ao abordar autores e testemunhos surgidos no período pós-reunificação, com o intuito de corroborar os raciocínios e exemplos apresentados anteriormente. Finalmente, são apresentadas as conclusões que foi possível retirar do estudo.
The reflexion and analysis object of this study consists of a critical approach to the representations of German Democratic Republic (GDR) authors in travel books and scientific-popular writings published in the context of political and cultural relations between that country and the emerging nations of Angola and Mozambique after decolonization. The GDR was a socialist state which was defined, among other characteristics, by the intense commitment to the cause of anti-imperialism and socialist internationalism. Therefore it is not surprising that after the decolonization of the Portuguese speaking countries (PALOP) numerous cooperation initiatives arose, between the GDR and many African countries which were considered highly important, like Mozambique and Angola. Simultaneously some authors of the GDR tried to report the social and cultural aspects of daily life in those countries by writing about their impressions of “missionary trips”. But the well-intentioned discourse of a supportive and egalitarian “real socialismo”, when read in defiance, obfuscated, in a subliminal way, cultural differences. The books in study, despite being different from each other and representing in fact many different perspectives, end all up revealing what we can call a peculiar “post-colonial vision of socialism”. The evaluation of the selected books (between 1975, when Angola and Mozambique gained their independence, and 1990, when the GDR was dissolved and integrated into West Germany), raises, in this context, several key issues. Since all cultural production in the GDR was also an inherently political act, how did the principles of anti-colonialism reflect in such publications, considering the fact that we are referring to a post-colonial period of time? Besides that, can the travel books and scientific-popular writings by authors from GDR contain hidden criticism to the official discourse of “socialist international friendship” and also criticize the regime between the lines? Finally, can the discourse of socialist internationalism in fact be considered eurocentric and chauvinistic? In the introduction to this study we explain briefly the meaning of the title, taking in consideration the particular context that involved the GDR's relations with Africa, specially marked by the “socialist slant” given to postcolonial visions, and justify its relevance. The following chapter in which the (post)colonial German issue is analysed stresses out the (short) memory of German Colonialism, the characterization of the (semi)sovereign State of the GDR and the motivations that led that country to consider the approach to Africa as a priority. In the third chapter we present, interpret and compare the books that constitute the group under review, with particular reference to the paradigmatic volumes of authors like Landolf Scherzer, Ursula Püschel and Jürgen Leskien. Considering the traditional bimedial (text and image) representation techniques used in this kind of literature, these formal and functional analyses of the texts are added in the fourth chapter, by an approach to the contents and the techniques present in the use of images. The fifth chapter closes the circle, by approaching authors and testimonies that emerged in the post reunification period, in order to corroborate the reasoning and examples presented previously. Finally, we refer to the conclusions that could be drawn from the study.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de Doutoramento em Ciências da Cultura (área de especialidade em Cultura Alemã).
URIhttp://hdl.handle.net/1822/36641
AccessRestricted access (UMinho)
Appears in Collections:CEHUM - Teses de Doutoramento
BUM - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Sérgio Lorré Gomes Vieira Pinto 2015.pdf
  Restricted access
25,08 MBAdobe PDFView/Open    Request a copy!

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID