Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/34006

TitleCentro de recursos biológicos : novas exigências e oportunidades para a bioeconomia
Author(s)Lima, Nelson
Simões, Marta Filipa
Santos, C.
Issue date2010
CitationLima, Nelson; Simões, Marta Filipa; Santos, C., Centro de recursos biológicos: novas abordagens e oportunidades para a bioeconomia. Jornadas 2010 do Departamento de Química. Évora, Portugal, 25-26 março, 17, 2010.
Abstract(s)Desde 1982 que as colecções de culturas microbianas trabalham em conjunto para implementarem uma política comum, partilharem tecnologias e procurarem projectos colaborativos. Adicionalmente, o Grupo de Trabalho em Biotecnologia da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) tem defendido os centros de recursos biológicos (CRBs) como elementos chave na infra-estrutura científica e tecnológica das ciências da vida e biotecnologia. A OCDE, em 2001, publicou um relatório que enfatiza o potencial dos CRBs onde recomenda a criação de uma rede global de CRBs. Na segunda fase desta iniciativa, a OCDE encarregou um grupo de missão com a tarefa de desenvolver um plano de implementação das recomendações enunciadas no relatório. Isto incluiu, (i) normas de funcionamento comum, (ii) normas para ligação e trocas de informação, (iii) acções apropriadas para a segurança, (iv) regulação sobre a gestão da arquitectura institucional e (v) financiamento. Após este trabalho terminado, em 2009 lançou-se o projecto demonstrativo da rede global de CRBs (GBRCN, www.gbrcn.org). Este projeto conta com 15 países e trabalha para aumentar a eficiência das colecções microbianas com vista a garantir padrões de qualidade adequados para que as colecções possam trabalhar em rede. Adicionalmente, a Comissão Europeia apostou no financiamento do projecto europeu do consórcio de centros de recursos microbianos (EMbaRC, www.embarc.eu) como forma de fortalecer a Europa para a bioeconomia e a competitividade. Nesta sequência de esforços e exigências globais e europeias o fornecimento de material biológico de qualidade e com garantia de autenticidade passou a ser, concomitantemente, uma exigência central para as colecções. Em resposta a este contexto, a Micoteca da Universidade do Minho (MUM, www.micoteca.deb.uminho.pt) tem vindo a desenvolver critérios internos de gestão e a aplicar novas tecnologias de identificação, como é o caso do MALDI-TOF ICMS (matrixassisted laser desorptionionisation time-of-flight intact cell mass spectrometry), para garantir uma crescente qualidade e autenticidade dos recursos biológicos que preserva e fornece.
TypeAbstract
URIhttp://hdl.handle.net/1822/34006
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CEB - Resumos em Livros de Atas / Abstracts in Proceedings

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
document_7102_1.pdf154,06 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID