Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/30944

TitleViolência sexual no namoro: os atletas universitários como grupo de risco?
Other titlesSexual violence in dating relationships: are college athletes at higher-risk?
Author(s)Peixoto, Judite
Matos, Marlene
Machado, Carla
KeywordsViolência sexual
Namoro
Atletas universitários
Crenças
Comportamentos
Sexual violence
Dating
College athletes
Beliefs and behaviors
Issue date2013
PublisherEdições Colibri
JournalPsicologia: Revista da Associação Portuguesa de Psicologia
Abstract(s)Estudos internacionais realizados em contexto universitário apontam consistentemente para a sobrerrepresentação dos atletas como perpetradores frequentes de agressões sexuais nas relações íntimas. A literatura científica tem vindo a sustentar que há aspetos da cultura atlética que contribuem para a maior adesão a mitos socioculturais e a atitudes estereotipadas de género, aumentando a propensão dos atletas para a adoção de condutas sexualmente abusivas. Este estudo exploratório procurou analisar as possíveis diferenças entre duas amostras independentes de estudantes universitários do sexo masculino – atletas e não atletas –, a dois níveis: 1) grau de tolerância/aceitação face à violência sexual sobre as mulheres; 2) taxa de prevalência e tipologia de comportamentos sexualmente violentos perpetrados no contexto das suas relações amorosas não conjugais (namoro). Para a recolha de dados foram utilizados a Escala de Crenças sobre a Violação (ECV) e o Sexual Experiences Survey – Short­‑Form Perpetration (SES­‑SFP), que foram administrados a 50 atletas – praticantes de modalidades desportivas de competição de contacto –, e 50 não atletas universitários. Os resultados sugerem que os atletas não apresentam níveis superiores de legitimação da violência sexual contra as mulheres, nem evidenciam uma taxa superior de perpetração de atos de violência sexual na intimidade face ao grupo dos não atletas. No plano dos comportamentos, ambos os grupos apresentam taxas preocupantes de perpetração de atos sexuais severos na intimidade (e.g., violação).
International studies developed at the university context consistently point out for the over­‑representation of athletes as frequent perpetrators of sexual assault in intimate relationships. The scientific literature has argued that there are aspects of the athletic culture that contribute to greater adherence to sociocultural myths and stereotypical attitudes to gender, increasing the propensity of athletes to commit more sexually abusive behaviors. This exploratory study sought to analyze the possible differences between two independent samples of male college students – athletes and non­‑athletes – at two levels: 1) degree of acceptance of sexual violence against women, 2) prevalence rate and types of sexually violent behaviors perpetrated in non­‑marital romantic relationships (dating). For the data collection we used the Beliefs Scale about Rape (ECV) and the Sexual Experiences Survey – Short Form­‑perpetration (SES­‑SFP), which were both administered to 50 college athletes of contact sports and to 50 non­‑athletes. The results suggest that college athletes do not report higher overall levels of legitimacy of sexual violence against women, and that they do not have higher rates of committing acts of sexual violence in the intimacy. In terms of behavior, there is empirical evidence that both college athletes, as non­‑athletes, report disturbing perpetration levels of severe acts of sexual assault in private (e.g., rape).
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/30944
ISSN0874-2049
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CIPsi - Artigos (Papers)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Violencia sexual no namoro.pdfViolência sexual no namoro: Os atletas universitários como grupo de risco?309,77 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID