Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/29591

TitleA TV portuguesa à procura de cumprir uma promessa de participação
Author(s)Lopes, Felisbela
Loureiro, Luís Miguel Nunes da Silva
Neto, Ivo Emanuel Campos Machado
Ribeiro, Fábio Fonseca
KeywordsInformação televisiva
Espaço público
Telespectadores
Empowered users
Participação
Cidadania digital
Television news
Public sphere
TV viewers
Participation
Digital citizenship
Issue date2012
JournalDerecom
Abstract(s)O presente artigo parte de um questionamento do que designamos a promessa de participação. Se há, de facto, um discurso recorrente sobre as novas tecnologias da comunicação e da informação, dele faz certamente parte um refrão discursivo, intensamente repetitivo, que não cessa de prometer uma acessibilidade generalizada à informação em circulação global, que comporta em si, e convoca, a possibilidade de uma nova cidadania de largo espectro social e político, promotora da realização do que autores como Pierre Lévy vêm designando como a ciberdemocracia. Trata-se de uma promessa que, notaremos, se renova a cada nova vaga tecnologicamente induzida, tendo tomado de assalto a produção discursiva de esferas públicas tão diversas (e, ao mesmo tempo, tão intercomunicantes) como a política, a social, a económica ou a académica. Tem-nos surgido, assim, renovada nos discursos sobre a convergência dos media que inclui, concomitantemente, a formulação do que designaríamos o ecrã convergente, para o qual tenderão os ecrãs que quotidianamente utilizamos e com os quais, de algum modo, interagimos. Entre os quais se conta, obviamente, o ecrã televisivo. A partir de um estudo teórico do ecrã televisivo e de um corpus empírico constituído a partir dos programas de canais de informação da televisão portuguesa, pretendemos indagar a verificação, ou não, dessa convergência como participação. Aquilo para que os nossos dados apontam é, contudo, uma lógica de resistência da centralidade do ecrã televisivo, que retém institucionalmente, e atrai para si, as lógicas e recursos socio-semióticos de controlo da produção da mensagem, mantendo-se fiel a um modelo de broadcasting, de sequência e fluxo centrados, tal como formulado nos anos 1970 nos trabalhos de Raymond Williams. Ainda distante da concretização da promessa da participação, este ecrã está longe de poder integrar as desejosas formulações da convergência, revelando-se, antes, como ecrã centrípeto.
This article questions what we can call the promise of participation. Its assumptions are based on the current dominant discourses on the new technologies of information and communication. We will note that such discourses keep elaborating on a constantly selfrepeating refrain that never ceases to promise wide access and open possibilities of direct individual intervention in the global informational contents and debates, feeding the prospects of new digital forms of political and social citizenship able to promote what philosopher Pierre Lévy calls cyberdemocracy. This promise is renewed by each new wave of technological buzz. It simultaneously takes by storm the discoursive mainstream of public spheres such as the political, the social, the economic context or the academic, emerging through conceptual frames such as media convergence. These public debates often include the conceptualization of what we can sum up as the convergent screen, to which should converge the technological screens that we use on our daily lives, and with which we interact. Among them, of course, there is the television screen. We base this article on a thorough study of the television screen that is both theoretical and empirical: it focuses on an analysis of the screen as an apparatus and works on data from Portuguese news channels’ broadcasts to verify or deny the fulfillment of the promise through audience participation manifestations. Our conclusions will nonetheless point out a reiterated confirmation of the institutional strength of the television apparatus. Despite the constant technological developments that, along with the digitalization processes, suggest a whole new set of interactive possibilities, the television screen shows clear signs of control resistance by keeping its longtime built social and institutional centrality. It tends to concentrate and attract the main socio-semiological resources of production control and retains the Raymond Williams’ old defined broadcasting features of centralized sequence and flow. This television screen emerges then not as the convergent one that would fulfill the promise of participation, but as one we will call the centripetous screen.
TypeArticle
URIhttp://hdl.handle.net/1822/29591
ISSN1988-2629
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Artigos em revistas internacionais / Articles in international journals

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Derecom_Lopes_et_al.pdfArtigo em revista científica internacional904,73 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID