Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/2903

TitleLinguística e ambientalismo
Author(s)Ramos, Rui Lima
KeywordsLinguística
Análise do discurso
Discurso da ciência
Ambientalismo
Ecolinguística
Issue date2004
CitationMARQUES, M. A. [et al.], org. – “Práticas de investigação em análise do discurso : actas do Encontro Internacional de Análise Linguística do Discurso, 2, Braga, 2003”. Braga: Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, 2004. ISBN 972-8063-21-0. p. 49-62.
Abstract(s)No presente estudo são brevemente apresentadas algumas dimensões da minha investigação de doutoramento, que tem por título “O discurso do ambientalismo nos media escritos”. Essa investigação assume por base alguns pressupostos teóricos e metodológicos centrais da Análise do Discurso, nas suas mais recentes orientações, e elege um corpus constituído por um agregado de textos surgidos num passado recente num jornal de referência português na esfera da defesa e promoção do património natural, ou daquilo que é denominado ‘ambientalismo’, assim como em materiais didácticos destinados aos primeiros anos de escolarização. Neste texto, são abordados dois aspectos fundamentais da definição dos contornos do (inter)discurso ambiental, assim como da definição e orientação investigativa de duas linhas de desenvolvimento que se interseccionam na análise do discurso sobre o ambiente: a Ecolinguística e os estudos sobre o discurso de divulgação científica. Em concreto, é assumido que o ‘ambientalismo’ pode ser construído / entendido como um conjunto organizado e hierarquizado de discursos, entretecendo uma teia de relações e presenças latentes de uns nos outros, convivendo e debatendo-se entre si, ou seja, como um interdiscurso. Os argumentos em causa relacionam-se com prioridades políticas e sistemas de valores, estabelecidos discursivamente por diferentes grupos com graus variados de poder e influência e que encontram nos media espaço vital, espaço de edificação e legitimação do próprio poder (como poder social alargado), pela evocação pública de valores mais ou menos comummente aceites - daí o surgimento do discurso justificativo e do discurso autorizado, fortemente marcado pela emergência do discurso da Ciência. Ao nível individual, as respostas aos desafios e riscos ambientais são deslocadas para novos padrões: a Natureza deixa de ser um valor autónomo, passando a sua imagem a ser construída para consumo social à luz de modelos de tecnologia, de economia, da actividade e do poder do homem. Havendo uma confusão entre Natureza e Sociedade / Cultura, os indivíduos são levados a conceber as questões ambientais dentro do âmbito das questões do consumo. Esta luta entre o natural e o social / cultural é omnipresente no discurso da imprensa escrita.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/2903
ISBN972-8063-21-0
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:DCILM - Comunicações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ALD2003.pdftexto de comunicação, publicado em actas60,92 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID