Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/2900

TitleAs partículas modais como co-indicadores ilocutórios: o caso das perguntas retóricas
Author(s)Ramos, Rui Lima
KeywordsLinguística
Pragmática
Análise do discurso
Partículas modais
Issue date2000
PublisherAssociação Portuguesa de Linguística (APL)
CitationCASTRO, Rui Vieira de; BARBOSA, Pilar, org. – “Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística : actas, 15, Faro, 1999”. Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística, 2000. vol. 2. p. 225-242.
Abstract(s)Talvez por pertencerem sobretudo ao domínio da linguagem falada, ainda pouco estudada entre nós e muitas vezes relegada para planos inferiores numa eventual escala de prestígio social, e por nos textos escritos surgirem com menos frequência, é ainda muito raro encontrarmos referência nas gramáticas portuguesas às partículas modais (p.m.): «[o]s gramáticos portugueses, desde os mais antigos aos contemporâneos, não conhecem nenhuma classe ou sub-classe de palavras que passe pelo nome de partículas modais» (Franco, 1991: 60). No limite, encontramos algumas delas incluídas no grupo dos advérbios ou classificadas como partículas de realce, expletivas ou enfáticas. É certo que estas partículas podem parecer "dispensáveis" (da classificação como expletivas) se tivermos em conta exclusivamente os níveis sintáctico e semântico (formal). Na verdade, elas podem ser eliminadas sem que surjam por isso frases sintacticamente inaceitáveis. Onde o seu valor se verifica é ao nível semântico-pragmático, como marcadores de um certo tipo de modalidade, e aí assumem um papel de verdadeira importância comunicativa. Para o interesse do presente estudo, a modalidade referir-se-á, antes de mais, a uma categoria que, incluindo o modo, exprime a atitude do locutor para com o enunciado. O efeito não fica, porém, reduzido ao locutor, antes envolve fortemente o alocutário, sobretudo em determinados actos comunicativos, informando-o sobre as suas próprias expectativas, influenciando-o ou orientando o seu raciocínio ou acção, exprimindo pressupostos que pautam os saberes de ambos (ou o que o locutor julga serem os saberes de ambos), marcando a troca comunicativa, etc. Neste sentido, as p.m. têm um papel não dispensável, e a ideia de que "de nada servem" revela-se claramente falsa. No caso das perguntas retóricas, as p.m. parecem poder contribuir para o reconhecimento da retoricidade deste tipo de enunciados. É certo «haverá que ver na generalidade das perguntas retóricas (...) a presença, explícita ou implícita, no contexto ou no cotexto, uma informação que (...) opera como elemento activador de retoricidade. Nessas circunstâncias, há que procurar a activação da retoricidade das perguntas que a comportam não na configuração própria dessas perguntas, antes no contexto/cotexto (Fonseca, 1993: 16). Contudo, se uma orientação pode ser definida, ainda que não definitiva ou absoluta, ela poderá ser carreada pela presença das p.m. nos enunciados identificáveis como perguntas retóricas: pelo seu emprego, o locutor fornece ao alocutário uma chave de descodificação de dimensões frequentemente não explícitas do seu enunciado. Tal é o objectivo do presente estudo: partindo de um corpus de perguntas retóricas presentes em textos escritos, descrever o papel das p.m. enquanto elementos co-indicadores de retoricidade.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/2900
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:DCILM - Comunicações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
part-modais-APL-1999.pdfTexto de comunicação publicado em actas181,88 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID