Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/28953

TitleMitigação do risco ambiental da descarga de efluentes hospitalares : contribuição para a remoção de fármacos
Author(s)Pereira, Mónica S. T. G.
Duarte, António A. L. Sampaio
Amorim, M. T. Pessoa de
KeywordsDióxido de titânio
Efluentes hospitalares
Ensaios de toxicidade
Fotocatálise heterogénea
Micropoluentes emergentes
Oxitetraciclina
Issue dateMar-2014
PublisherAssociação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH)
Abstract(s)As atividades existentes nas unidades hospitalares implicam o consumo de grandes quantidades de água e medicamentos, produzindo efluentes com características específicas, sendo, muitas vezes, descarregadas para a rede pública de saneamento sem tratamento prévio adequado, contribuindo para a persistência de micropoluentes emergentes, quer nas águas residuais urbanas, quer nos meios hídricos recetores. Numa abordagem holística deste problema ambiental, o trabalho de investigação em curso iniciou-se com uma caracterização da atual situação dos sistemas de pré-tratamento dos hospitais portugueses, visando obter uma melhor perceção do seu potencial risco ambiental, através de um inquérito por questionário às respetivas entidades gestoras. Os resultados obtidos permitem constatar que apenas 38% da amostra respondente ao inquérito efetuado dispõe de um sistema de pré-tratamento. Posteriormente, procedeu-se à realização dum estudo experimental visando avaliar as potencialidades da aplicação de processos de oxidação avançada (POA), com dióxido de titânio, na fotodegradação de fármacos, tendo-se selecionado o antibiótico oxitetraciclina (OTC), muito utilizado em hospitais e unidades aquícolas. A maior eficiência de degradação da OTC foi de 96%, obtida nos ensaios de fotocatálise heterogénea, sob radiação da lâmpada UV, com um tempo de exposição de uma hora, confirmando as potencialidades deste processo de tratamento. Os ensaios de toxicidade realizados às soluções resultantes do tratamento por fotocatálise heterogénea revelaram que os compostos obtidos não induzem toxicidade nas águas.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/28953
ISBN978-989-8509-08-6
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:C-TAC - Comunicações a Conferências Internacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
A&R#318.pdfdocumento completo1,28 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID