Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/2832

TitleCaracterização do sistema antioxidativo no estabelecimento da associação micorrízica Castanea sativa Mill. / Amanita muscaria
Author(s)Baptista, P.
Martins, A.
Tavares, R. M.
Neto, T. Lino
Issue dateMay-2005
Abstract(s)As micorrizas são associações mutualistas que se estabelecem entre fungos, pertencentes sobretudo às divisões Basidiomycota, Ascomycota e Zigomycota, e raízes de plantas vasculares. Com o estabelecimento da associação micorrízica, ocorrem várias alterações morfológicas, fisiológicas e ecológicas em ambos os intervenientes, que têm sido objecto de estudo por diversos autores. Contudo, os mecanismos que controlam o processo de colonização e como este processo se inicia é completamente desconhecido. Os poucos trabalhos desenvolvidos nesta área, utilizando micorrizas arbusculares, sugerem que, durante as primeiras horas de invasão do fungo, ocorre uma indução de resposta de defesa por parte da planta hospedeira, semelhante à observada na interacção planta-patogénio. O presente trabalho pretende averiguar o efeito da inoculação de plantas de Castanea sativa Mill. com o fungo ectomicorrízico Amanita muscaria, na indução de resposta de defesa da planta hospedeira. O trabalho experimental decorreu num sistema in vitro estabelecido entre plantas de C. sativa e o fungo A. muscaria. Durante as primeiras horas de contacto (0 às 48 horas) procedeu-se à recolha de amostras de raízes, caules e folhas da planta hospedeira e de micélio de fungo que esteve em contacto com a raiz. Nestas amostras analisaram-se os níveis de peróxido de hidrogénio (H2O2), a actividade da catalase (CAT) (EC 1.11.1.6) e da superóxido dismutase (SOD) (EC 1.15.1.1). Os resultados obtidos evidenciam três picos de produção de H2O2, sugerindo o seu possível envolvimento no estabelecimento de micorrizas, nas primeiras horas de contacto planta-fungo. As variações observadas na actividade da SOD e da CAT, indiciam o seu envolvimento no controlo dos níveis de H2O2 em raízes, permitindo que esta molécula possa actuar como molécula sinalizadora, mas evitando que os níveis se tornem nocivos para o sistema. Estes resultados, apesar de preliminares, reflectem uma condição de stresse oxidativo semelhante àquela observada em interacções planta-patogénio.
TypePoster
DescriptionPoster apresentado no 5º Congresso Florestal Nacional, Viseu, Portugal, 16 Maio - 19 Maio 2005.
URIhttp://hdl.handle.net/1822/2832
Peer-Reviewedyes
AccessRestricted access (UMinho)
Appears in Collections:DBio - Comunicações/Communications in Congresses

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
POSTERflorestal.pdf
  Restricted access
Poster244,5 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy!

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID