Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/24904

TítuloA loiça preta em Portugal : estudo histórico, modos de fazer e de usar
AutorFernandes, Isabel Maria
OrientadorCapela, José Viriato
Data6-Mai-2013
ResumoO tema base deste trabalho são os oleiros e olarias de louça preta em Portugal. No entanto, considerou-se importante contextualizar a produção de loiça preta no conjunto mais global da cerâmica em Portugal, principalmente da olaria. Recuou-se no tempo e analisou-se o ofício de oleiro entre os séculos XIII e XVIII, constatando-se que nos séculos XIX e XX se inicia a decadência desta arte, substituída que foi a loiça de barro por outras loiças. Faz-se o levantamento dos setenta e dois locais produtores de loiça preta existentes nos séculos XIX e XX, quer através de bibliografia quer do trabalho de campo efetuado nesses locais produtores, o que originou a realização de monografias, mais ou menos extensas, consoante a quantidade e a qualidade de dados que se conseguiu reunir. Estas monografias foram fulcrais na estruturação de diversos capítulos, como, por exemplo, o Capítulo 3 sobre «O Percurso do barro nas olarias: modos de fazer». Analisou-se a antiguidade da produção e a designação dada a estes oleiros de loiça preta, tendo-se concluído que as suas oficinas eram unidades familiares, em que toda a família colaborava. Procurou-se conhecer quanto tempo os oleiros dedicavam à arte, qual o salário que auferiam e se o trabalho no barro era complementado com a realização de outras atividades profissionais. Examinou--se o seu grau de alfabetização e desvendaram-se fluxos migratórios profissionais. Considerou-se relevante perceber os modos de fazer destes oleiros, dando a conhecer as diversas fases do trabalho do barro nas olarias de loiça preta em Portugal desde a extração do barro até à comercialização da loiça, passando pelo modo como trabalhavam a pasta, como levantavam as peças na roda baixa ou no torno, como decoravam a loiça e como a coziam. E, porque as peças são feitas para serem usadas, procurou-se conhecer as vasilhas de barro feitas pelos oleiros portugueses entre os séculos XII a XVIII, comparando com as produções dos séculos XIX e XX, dando a conhecer as formas e os usos destas singelas vasilhas de loiça de barro.
The base theme of this work is the potters and the potteries of black pottery in Portugal. Nevertheless, one considered it important to contextualize the production of black pottery in the wider group of ceramics in Portugal, mainly of pottery. One went back in time and analyzed the craft of the potter between the 13th and the 18th centuries, verifying that in the 19th and 20th centuries the decadence of this craft starts, as the clay pottery was replaced by other kinds of crockery. One selected the seventy-two places existing in the 19th and 20th centuries where black pottery was produced, both through the bibliography and through the fieldwork conducted in those production places, which brought about the elaboration of, more or less extensive, monographs, depending on the quantity and quality of data one managed to gather. These monographs were central for the structuring of several chapters, such as «Chapter 3: The course of the clay in the potteries: ways of making». One analyzed the antiquity of the production and the designation given to these potters of black pottery, coming to the conclusion that their potteries were family units, where all the members of the family collaborated. One sought to know the quantity of time potters dedicated to the craft, the wage they earned and whether the clay work was complemented with the performance of other professional activities. One examined their degree of literacy and disclosed professional migration flows. One considered it relevant to understand these potters’ ways of making, showing the diverse stages of the clay work in the potteries of black pottery in Portugal, from the extraction of the clay to the trading of the pottery, going through the way they worked the clay paste, the way they lifted the pieces in the low wheel or in the lathe, the way they decorated the pottery and the way they fired them. And, since the pieces are made to be used, one sought to know the earthen vessels made by the Portuguese potters between the 17th and 18th centuries, by comparing them with the productions from the 19th and 20th centuries, thus making the shapes and usefulness of these simple earthen vessels known.
TipodoctoralThesis
DescriçãoTese de doutoramento em História (área de especialização de Idade Contemporânea)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/24904
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:BUM - Teses de Doutoramento
DH - Teses de Doutoramento/PhD Theses

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese de Doutoramento_Isabel Maria Fernandes_2012_ parte II.pdfParte II6,66 MBAdobe PDFVer/Abrir
Tese de Doutoramento_Isabel Maria Fernandes_2012_parte I.pdfParte I7,7 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis