Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/24370

TítuloDesenvolvimento infantil e capacitação materna como resultado da aplicação do Programa de Empowerment Parental para o desenvolvimento infantil (PEPDI)
Autor(es)Vilaça, Simão
Orientador(es)Carvalho, Graça Simões de
Palavras-chaveParentalidade
Formação parental
Desenvolvimento infantil
Ansiedade materna
Ensaio clinico randomizado
Parenting
Parental education
Child development
Maternal anxiety
Randomized clinical trial
Data11-Abr-2013
Resumo(s)O presente estudo pretende contribuir para o incremento da compreensão do desenvolvimento infantil. Para o efeito foi analisado o efeito de um programa de formação parental (PEPDI – Programa de Empowerment Parental para o Desenvolvimento Infantil) para o desenvolvimento infantil bem como para a capacitação das competências maternas. Participaram neste ensaio clinico randomizado 411 de díades de mãe/filho, da região do Minho. A amostra foi constituída tendo por base um conjunto de critérios de inclusão como ser RN (recémnascido) de termo, parto eutócico, índice de Apgar superior a 7 e a gravidez ter sido vigiada. Os critérios de exclusão versaram a presença de doença materna de foro mental e família com elementos que apresentavam atraso do desenvolvimento. As díades foram randomizadas em grupo de controlo e experimental. Desenvolvemos e implementamos um programa de intervenção (PEPDI), atendendo ao modelo de promoção da saúde de Nola Pender (2011) e os touchpoints apresentados por Brazelton (1999). As sessões do grupo experimental foram realizadas com cada mãe/filho durante a 1ªsemana de vida, 2º, 4º e 6º mês de vida e incluíam os seguintes conteúdos: (i) comportamento da criança, (ii) alimentação, (iii) competências desenvolvimentais da criança, (iv) situações previsíveis de ocorrer, e (v) preocupações parentais. Pretendemos que as condições de implementação e avaliação deste estudo se aproximassem ao máximo do contexto natural em que a intervenção foi realizada, tendo este estudo, por conseguinte, um cariz pragmático de acordo com o indicador PRECIS (Pragmatic-Explanatory Continuum Indicator Summary). A recolha de dados, antes e após as intervenções, incluiu o perfil socioeconómico (NSE), a tipologia área residencial, o número de irmãos, a ansiedade materna, o conhecimento materno e o desenvolvimento infantil. Foi utilizada a escala SGS II para a avaliar o desenvolvimento infantil, a escala STAI-Y para avaliar a ansiedade materna (estado e traço), a escala de Graffar para o NSE, o inventario KIDI do professor David MacPhee (2002) para avaliar o conhecimento materno, o qual foi adaptado e validado. As combinações das características, avaliadas no momento inicial – conhecimento materno, ansiedade-traço, número de irmãos e NSE – permitiram criar clusters que evidenciaram que os 2 grupos do estudo (controlo e experimental) estavam equivalentes nestas características, no momento inicial da avaliação. A investigação foi realizada após autorização da comissão de ética do hospital central da região Norte. As mães tiverem informação sobre o estudo, e depois de esclarecidas assinaram o consentimento, de livre e esclarecida vontade, para participarem. Através da análise de modelos lineares mistos, os resultados demonstraram que ao longo do tempo: (i) Os índices de desenvolvimento das crianças do grupo experimental (PEPDI) foram significativamente superiores (p < 0,001) aos índices das crianças do grupo de controlo. A magnitude do efeito (effect size) foi considerada de grande efeito (r = 0,92); (ii) Os índices de ansiedade-estado materno foram significativamente inferiores (p < 0,001) no grupo experimental comparativamente com o controlo. Esta diminuição do nível de ansiedadeestado também teve influência significativa (p < 0,001) quando as mães aumentaram o seu índice de conhecimento materno. (iii) Os índices de ansiedade-traço materna foram significativamente inferiores (p < 0,001) no grupo experimental. Apresentaram também efeito significativo para esta diminuição o aumento do conhecimento materno (p < 0,001), pertencerem ao NSE baixo comparativamente ao alto, médioalto e medio (p = 0,006), bem como residirem na área predominantemente urbana comparativamente a residentes em área medianamente urbana (p = 0,019). Em conclusão, o PEPDI pode ser implementado com sucesso para o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança nos primeiros 6 meses de vida para reduzir os níveis de ansiedade materna, bem como promover o empowerment da mãe no sentido de promover um melhor desenvolvimento da criança.
The present study intended to contribute to increase the understanding of child´s development. For this purpose, we analyzed the effects of a parental training program (PEPCD - Parental Empowerment Program for Child Development) for child development as well as for maternal empowerment. Four hundred and eleven (411) dyads of mother/child of the Minho region participated in this randomized controlled trial. The sample was defined according to inclusion criteria such as being NB (newborn) term, normal delivery, Apgar score greater than 7 and having had a monitored pregnancy. Exclusion criteria were the presence of maternal mental disease and family who had developmental delay. Dyads were randomly assigned to experimental and control group. We develop and implement an intervention program (PEPDI), according to the health promotion model of Nola Pender (2011) and the touchpoints of Brazelton (1999) . The experimental group sessions were held with each mother/child during the 1st week of life, 2nd, 4th and 6th month of life and included the following contents: (i) the child's behaviour, (ii) healthy eating habits, (iii) child´s skills development, (iv) predictable situations to occur, and (v) parental concerns. We intended that the conditions of implementation and evaluation of this study were close to the natural context where the intervention was established. Therefore this study is considered pragmatic according to the indicator PRECIS (Pragmatic-Explanatory Continuum Indicator Summary). Data collection, before and after the interventions, included the socioeconomic status, the residential typology, the number of siblings, maternal anxiety, maternal knowledge and child development. The SGS II Scale was used to assess child development and the scale STAI-Y to assess maternal anxiety (state and trait). The scale of Graffar was used to assess the socioeconomic status and the inventory of KIDI from Professor David MacPhee (2002) was used to assess maternal knowledge, which was adapted and validated. The combinations of characteristics, assessed at baseline – maternal knowledge, trace anxiety, number of siblings and socioeconomic status – allowed to create clusters showing that both groups (control and experimental) were equivalent at baseline. The investigation was conducted after approval of the ethics committee of the central hospital of the Northern region. After being informed about the study, mothers signed the informed consent, freely, in order to participate in the study. Through the analysis of according linear mixed models, results showed along the time that: (i) The rates of children´s development in the experimental group were significantly higher (p < 0,001) compared with the indices of the control group. The extent of the effect size was considered of large effect (r = 0,92); (ii) The rates of maternal state-anxiety were significantly lower (p < 0,001) in the experimental group as compared with the control group. The decrease of the level of anxiety-state had also a significant influence (p < 0,001) when mothers increased their level of knowledge. (iii) The rates of maternal anxiety-trace were significantly lower (p < 0,001) in the experimental group. They also decreased significantly (p < 0,001) with the increase of maternal knowledge, as well as with belonging to low socioeconomic status compared with high-, medium- high and mediumstatus (p = 0,006) and living in predominantly urban area compared with living in medially urban area (p = 0.019). In conclusion, the PEPDI can be implemented successfully to monitor the growth and development of children in the first 6 months of life, to reduce levels of maternal anxiety as well as to enhance mothers’ empowerment in order to promote a better child development.
TipodoctoralThesis
DescriçãoTese de Doutoramento Estudos da Criança (especialidade de Saúde Infantil)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/24370
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CIEC - Teses de Doutoramento
ESE-CIE - Teses de Doutoramento / PhD Thesis
BUM - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Simão Pedro Pereira Vilaça.pdf4,64 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis