Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/22367

TitleModelo de rotatividade entre postos de trabalho para diminuição do risco de lesões músculo-esqueléticas : estudo de caso
Author(s)Fonseca, Hélia Maria Ferreira da
Advisor(s)Arezes, P.
Loureiro, Isabel F.
KeywordsRotatividade
Lesões músculo-esqueléticas
Ergonomia
Absentismo
Manual
Movimentação cargas
Repetividade
Job rotation
Musculoskeletal disorders
Ergonomics
Absenteeism
Materials handling
Repetitive
Issue date2012
Abstract(s)Atualmente, e para além do interesse na produtividade, as organizações estão focadas no bem-estar dos colaboradores para alcançar os fins económicos estabelecidos. Neste sentido, é importante identificar os fatores que podem contribuir para os objetivos económicos e sociais das organizações. Num processo produtivo, as atividades que tenham associados fatores de risco de natureza ergonómica podem contribuir para o desenvolvimento de lesões músculoesqueléticas (LME). Este fato parece estar largamente associado ao aumento do absentismo. Por este motivo, é importante desenvolver ações que visem a diminuição do risco de LME. A rotatividade entre postos de trabalho tem sido frequentemente implementada para atingir este objetivo. Durante a implementação de um sistema de rotatividade, alguns fatores devem ser considerados: (1) fatores ergonómicos (p.e. movimentos repetitivos, movimentação manual de cargas, posturas), (2) fatores organizacionais (p.e. trabalho por turnos) e (3) fatores individuais (p.e. género, idade, antiguidade, estatura, competências). Este estudo foi desenvolvido numa empresa têxtil que produz têxteis para pneus e que teve como principal objetivo o desenvolvimento de um modelo de rotatividade entre postos de trabalho, que visasse a diminuição do risco de lesões músculo-esqueléticas. A investigação em contexto real de trabalho permitiu estudar a viabilidade de implementação do modelo. O desenvolvimento da conceptualização teórica do modelo teve como base uma revisão bibliográfica sobre os vários domínios do estudo. Foi necessário identificar e caracterizar os postos de trabalho, selecionar as metodologias de avaliação do risco tendo em consideração os fatores posturas, movimentos repetitivos e movimentação manual de cargas e de seguida avaliar o risco para as atividades identificadas. Foram analisados fatores individuais como género, idade, antiguidade, estatura, competências e alguns fatores organizacionais. O modelo de rotatividade proposto relaciona o nível de risco obtido para cada tarefa, os fatores individuais e organizacionais relevantes e as competências dos trabalhadores. Os resultados da avaliação de risco identificaram tarefas com elevado risco de ocorrência de LME em todos os Postos de Trabalho analisados. Os resultados obtidos da análise descritiva dos fatores individuais e organizacionais em estudo, evidenciaram que a existência de particularidades em cada Posto de Trabalho analisado, sugerindo-se que o modelo de rotatividade seja implementado apenas entre tarefas do mesmo setor produtivo. A análise dos resultados demonstrou que os fatores individuais como o género, idade, antiguidade, estatura, competências e outros fatores associados, são importantes para a implementação do modelo de rotatividade entre postos de trabalho. Como resultado considera-se que a implementação do modelo deve ter em consideração a análise conjunta do risco associado de LMERT e a identificação de fatores que associados ao Posto de Trabalho, possam ser condicionantes da viabilidade do modelo, esperando-se que a implementação desta rotatividade entre postos de trabalho contribuir para a diminuição do risco de ocorrência de LME associadas ao trabalho, uma vez que o trabalhador irá alternar o seu trabalho entre tarefas com diferente risco de LMERT, de acordo com as suas competências e características pessoais. Este modelo contribuirá, em última análise, para os objetivos económicos e sociais da organização.
Currently, in addition to the interest on productivity, organizations are focused on the employee’s wellbeing to achieve their economic purpose. In this sense, it is important to identify factors that may contribute to the economic and social goal of organizations. In a production process, activities involving ergonomic risk factors may contribute to the development of musculoskeletal disorders (MSDs), which seems to be largely associated to an increase in absenteeism. Therefore, it is important to develop actions that can reduce the risk of MSDs. The implementation of a job rotation system is often performed to achieve this goal. Some parameters must be taken into consideration during the implementation of a job rotation system: (1) ergonomic factors (e.g. repetitive movements, manual materials handling, postures), (2) organizational factors (e.g. shift work) and (3) individual factors (e.g. gender, age, seniority, height, skills). This study was carried out in a textile company that produces textiles for tires and it aims the development of a job rotation scheme in order to reduce the risk of MSDs associated with each job. The research in real work context allowed us to study the feasibility of implementing the scheme. The development of theoretical conceptualization of the scheme was based on a literature review on the various domains involved. It was necessary to identify and characterize the activities, select the methodologies for risk assessment, taking into consideration the relevant factors (e.g. posture, repetitive movements and manual materials handling) and then applying risk assessment for the identified activities. Individual factors such as gender, age, seniority, height, skills, and some organizational factors were also analyzed. The job rotation scheme proposed relates the level of risk obtained for each task, individual and organizational relevant factors and workers’ skills. The risk assessment results identified tasks with high risk of MSDs in all workplaces analyzed. The results of the descriptive analysis of individual and organizational factors in the study showed that there are peculiarities in each analyzed workplace suggesting that the job rotation scheme is implemented only between tasks of the same productive sector. The results showed that individual factors, such as gender, age, seniority, height, skills and other related factors, are important for the implementation of a job rotation system. As a result it is considered that the implementation of the job rotation system should take into account the joint analysis of the risk of MSDs and the identification of factors associated with the workplace may be affecting the viability of the scheme. It is expected that the implementation of this job rotation between tasks will contribute to reducing the risk of work-related MSDs, since the worker switches tasks associated with a high risk of MSDs according to their skills and personal characteristics. Finally, we also expect that this scheme will also contribute to the economic and social goals of the organization.
TypeMaster thesis
DescriptionDissertação de mestrado em Engenharia Humana
URIhttp://hdl.handle.net/1822/22367
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Dissertações de Mestrado
DPS - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Helia_6_12_2012.pdf2,54 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID