Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/21658

TitleTransição do adulto para a dependência no autocuidado
Author(s)Petronilho, Fernando
Machado, Maria Manuela Pereira
Magalhães, Maria Manuela Almendra
Gago, Esperança
KeywordsAutocuidado
Dependência
Capacidade
Processos corporais
Issue dateJun-2012
PublisherEscola Superior de Enfermagem de Coimbra. Unidade de Investigação em Ciências da Saúde - Enfermagem (UICISA-E)
JournalRevista de Enfermagem Referência
Abstract(s)Atualmente, a população europeia, onde Portugal se enquadra, carateriza-se por uma evidente tendência para envelhecer. As causas estão identificadas: diminuição da taxa de mortalidade e natalidade, aumento da esperança média de vida em consequência do avanço dos processos terapêuticos e da melhoria das condições socioeconómicas das populações. Daqui decorre uma tendência significativa para o aumento de pessoas com doenças crónicas, as quais, face à sua evolução ao longo do tempo, estão fortemente associadas à transição para a dependência no autocuidado. Objetivos: Conhecer a evolução do perfil de dependência do doente no autocuidado; conhecer a evolução das capacidades do doente face à dependência no autocuidado; conhecer a evolução dos processos corporais do doente dependente no autocuidado; identificar a existência de possíveis relações entre as variáveis: dependência do doente no autocuidado, processos corporais, capacidades do doente para realizar o autocuidado. Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo e exploratório, com uma amostra de 72 doentes dependentes no autocuidado. Realizado em contexto hospitalar e domiciliário, onde se procede à avaliação do perfil de dependência, capacidade para o autocuidado e dos processos corporais, em dois momentos: 1) momento inicial, corresponde à admissão/1º contacto com o doente dependente; 2) momento final, corresponde à alta hospitalar/último contacto com o doente dependente. É aplicado um formulário construído e validado pela equipa de investigação do estudo, integrada no Núcleo de Investigação em Enfermagem (NIE) da ESE -Universidade do Minho. Resultados: Os resultados mostram, em média, uma evolução positiva entre o momento de avaliação inicial e avaliação final: 1) no nível de dependência para todos os tipos de autocuidado (alimentar-se, cuidar da higiene pessoal, vestir-se, posicionar-se, transferir-se, andar e usar o sanitário); 2) na capacidade do doente para realizar as atividades que integram cada tipo de autocuidado; 3) nos processos corporais (úlcera pressão, rigidez articular, força muscular, expetorar, aspiração, obstipação, incontinência urinária e intestinal). Há diferenças estatisticamente significativas, entre o nível de dependência e o compromisso dos processos corporais: em média, quer na avaliação inicial, quer na avaliação final, os doentes mais dependentes são os que apresentam menos força muscular; maior risco de úlcera de pressão, aspiração, rigidez articular, obstipação e retenção urinária; mais rigidez articular, incontinência intestinal e urinária. Há uma correlação positiva, estatisticamente significativa, entre a capacidade de realizar o autocuidado e o nível de dependência, no momento de avaliação final. Conclusões: O nível de dependência no autocuidado está diretamente relacionado com o compromisso dos processos corporais e com a capacidade do doente em realizar as atividades que integram cada tipo de autocuidado. A utilização de escalas de avaliação do perfil de dependência no autocuidado, com maior nível de especificação das atividades que integram cada tipo de autocuidado e o nível de dependência, permitem uma avaliação da condição de dependência do doente com maior valor clínico para a ação profissional dos enfermeiros. Deste modo, sugere-se um maior incremento de estudos centrados no tipo e nível de dependência.
TypeAbstract
Description“Revista de Enfermagem Referência, III série, n.º 6, supl. - Atas do III Congresso de Investigação em Enfermagem Ibero-Americano e de Países de Língua Oficial Portuguesa”
URIhttp://hdl.handle.net/1822/21658
ISSN0874-0283
e-ISSN2182-2883
Peer-Reviewedyes
AccessOpen access
Appears in Collections:ESE-CIE - Livros de atas / Papers in conference proceedings

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Transição do adulto para a dependência no autocuidado.pdfDocumento principal7,83 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID