Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/20787

TítuloJohn Cheever and Ann Beattie: echoes of generational memory in their shorter (and longer) fiction
Outro(s) título(s)John Cheever e Ann Beattie: ecos de memória geracional na sua ficção mais curta (e mais longa)
Autor(es)Osório, Maria Salomé Faria Braga
Orientador(es)Costa, Jaime
Data27-Jul-2012
Resumo(s)This PhD thesis intends to analyse the writing of John Cheever (1912-1982) and Ann Beattie (1947- ) drawing comparisons and establishing differences between these two authors both in terms of their longer and shorter fiction. The analysis of their shorter fiction draws the reader’s attention to two specific anthologies: Cheever’s The Stories of John Cheever (1978) and Beattie’s The New Yorker Stories (2010). Beattie’s Park City: New and Selected Stories (1998), her first anthology with a retrospective undertone, is also taken into account. Links in terms of social themes, literary tone and cultural cross-references, among others, guide my discussion. Their common beginnings as short story writers in The New Yorker is also subject to consideration. As well, the reading of Cheever will also include his non-fictional work – his journals and letters, plus the latest biography by Blake Bailey – which will clarify and reveal his fictional work. Likewise, Beattie’s infatuation with photography and her non-fictional work in that field will also be taken into account. The ultimate aim, as the title indicates, is to discuss the extent to which there is a generational memory binding their body of work. The concepts of place and memory, identity and generation are key in the line of argument presented. These concepts, and their application to selected instances of Cheever’s and Beattie’s shorter and longer fiction, help in delineating a coherent reasoning leading to inferences on the continuity and discontinuity between their writing of American reality from the forties until nowadays. Moreover, Beattie’s characters are (could be) more often than not Cheever’s characters’ grown-up children, as I advocate. The section on “Cheever’s Beattie”, in particular the part dedicated to the novel Falling in Place (1980), aims at documenting the extent to which Cheever’s generational memory is felt in Beattie’s world, and then pursued into the lives of her own characters’ generation. It is curious to notice that in Beattie’s latest collection of short stories, Follies: New Stories (2005), the characters are the aging baby boomers of her earlier stories, thus her work can be seen as chronicling the aging of its own privileged generational group. Using everyday characters and occurrences around them for literary purposes, both Cheever and Beattie, at different moments in their literary career, depict the joys and sorrows of a particular instant in life emphasizing, nevertheless, the boredom and bleakness, the dullness and angst which their middle-class suburban characters face as they look back on unfulfilled promise and even baffled understanding. Neither alcohol nor marijuana relieves their disaffected state but, rather, aggravates it. Thus, an attentive reader easily detects a common cultural memory whereby Cheever and Beattie convey an image of the American past, its major styles and fads, which readers share and recognise. To read their stories is to receive perfectly timed, and timeless, dispatches from the 40s through the 90s and 2000s documenting their America. For example, Cheever’s commuters, white-collar husbands who take the train to work in the city leaving their wives and kids behind, and Beattie’s pop culture references clarify specific American social and historical contexts.
Esta tese de doutoramento pretende ler e analisar o corpus de John Cheever (1912- 1982) e Ann Cheever (1947-) estabelecendo comparações e/ou diferenças entre estes dois escritores em relação à realidade social que descrevem nos seus textos. A análise dos seus contos baseia-se em duas antologias em particular: The Stories of John Cheever (1978) de Cheever e The New Yorker Stories (2010) de Beattie. A antologia Park City: New and Selected Stories (1988), o primeiro momento de retrospectiva na sua carreira, também incorpora esta análise. As ligações em termos de temas sociais, tom literário e referências culturais, entre outras, irão interferir na análise comparativa que se pretende desenvolver. O início da carreira de ambos em The New Yorker também será objecto de análise permitindo o delinear do percurso de Cheever e Beattie a partir de, e para além, desta revista. Consequentemente, pretender-se-á descrever e reflectir sobre o papel desta revista no desenvolvimento da short story, em geral, e da escrita dos autores em análise, em particular. A leitura de Cheever irá também incluir o seu trabalho não ficcional – os seus diários e cartas, assim como a mais recente biografia de Blake Bailey – que irão clarificar e explicar o seu trabalho ficcional. A paixão de Beattie pela fotografia e o seu trabalho não ficcional nesta área irá ser igualmente incluído. O objectivo último desta tese, tal como o seu título indica, é avaliar a memória geracional que liga o mundo ficcional de ambos os autores. Os conceitos de lugar, memória, identidade e geração são centrais no argumento apresentado. Estes conceitos, e a sua aplicação em textos seleccionados de Cheever e Beattie, ajudam na definição de um raciocínio coerente conducente a elações sobre a continuidade e descontinuidade entre a sua escrita sobre a realidade americana desde os anos quarenta até aos dias de hoje. Para além disso, as personagens de Beattie são (ou poderiam ser) frequentemente os filhos adultos das personagens de Cheever, como é defendido. A secção sobre “Cheever’s Beattie”, e em particular a análise do romance Falling in Place (1980), pretende documentar até que ponto a memória geracional do mundo ficcional de Cheever se decalca em Beattie, ainda que no segmento geracional seguinte. É curioso que na mais recente colecção de contos de Beattie, Follies: New Stories (2005), as personagens são os envelhecidos baby boomers das suas primeiras histórias pelo que o seu trabalho relata o envelhecimento do seu grupo geracional privilegiado. Usando personagens e ocorrências do seu dia-a-dia com propósitos literários, quer Cheever quer Beattie, em momentos diferentes da sua carreira literária, representam as alegrias e pesares de um momento particular na vida enfatizando, no entanto, o aborrecimento e a desolação, a apatia e a ansiedade que as suas personagens suburbanas de classe média enfrentam quando reflectem sobre promessas não cumpridas. Os meios usados para esquecer esta tristeza tépida, o álcool ou a marijuana, não retiram as suas personagens insatisfeitas daquele estado, pelo contrário, apenas o estimulam. Deste modo, um leitor atento facilmente detecta uma memória cultural comum que conecta a escrita de Cheever e Beattie através da qual uma imagem dos Estados Unidos da América é transmitida, isto é, um conhecimento particular do passado e presente deste país que leitores partilham enquanto grupo (ele próprio geracional). Deste modo, ao ler as histórias de ambos recebemos imagens perfeitamente temporais, e ao mesmo tempo intemporais, dos anos 40 e 70 documentando a sua visão da sua América, por exemplo, quer os deslocados (commuters) de Cheever, maridos empregados de escritório que viajam diariamente de comboio para ir trabalhar para a cidade deixando as suas mulheres e filhos para trás, quer as referências de cultural popular de Beattie activam informação sobre contextos históricos e sociais Americanos.
TipodoctoralThesis
DescriçãoTese de doutoramento em Ciências da Literadura (especialidade de Literatura Norte-Americana)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/20787
AcessorestrictedAccess
Aparece nas coleções:ILCH - Teses de doutoramento
BUM - Teses de Doutoramento
CEH - CLit - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Maria Salomé Faria Braga Osório.pdf4,01 MBAdobe PDFVer/Abrir  Solicitar cópia ao autor!

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis