Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/20771

TitleThe feminine in contemporary art: representation and contamination in the work of Helen Chadwick, Michèle Roberts and Helena Almeida
Author(s)Coelho, Maria Luísa de Sousa
Advisor(s)Macedo, Ana Gabriela
Issue date25-Jun-2012
Abstract(s)Taking contamination and liminality as central methodological and theoretical metaphors, this thesis investigates the strategies through which contemporary women artists, in particular Helen Chadwick, Michèle Roberts and Helena Almeida, represent the female body and subjective female experiences, and place their work vis-à-vis the art and literary tradition. The intention has been to discuss these women’s work within their cultural and historical context and, therefore, to explore the interaction existing between the social, the subjective and the aesthetic through specific instances of visual and literary representation. The research has followed an interartistic or intermedial approach and contaminated such methodology with the insights provided by feminist criticism, specifically on the literary and visual representation of the feminine and on gender politics. Through this methodology the thesis discusses how Helen Chadwick, Michèle Roberts and Helena Almeida have articulated similar responses to a set of issues raised by phallocentrism and its representation of the feminine. Furthermore, it argues that such similarities are the result of their subject position as women (and women artists), who not only have negotiated with the problems arising from the inscription of sexual difference in the socio-cultural domain in general and the literary and visual fields in particular, but also experienced the profound impact generated by the feminist engagement with and revision of that same sexual difference. The main conclusions are that Chadwick, Roberts and Almeida participate in ‘another’ literary and visual tradition, created by women, and one that has subverted the dominant norms and hierarchies regarding female subjectivity and its representation. In the work under consideration, such subversion is visible both at the thematic level (through their engagement with topics such as self-representation, maternity, the domestic sphere and the abject body) and in formal ways (by embracing hybrid formats and innovative media). In addition, it manifests an interest in dialogism and contamination processes (sacred/ profane, abject/ beautiful, private/ public, self/ other), in clear opposition to phallocentric binarism. On the one hand, by bringing together Chadwick, Roberts and Almeida, this thesis ultimately intends to debate the sexual difference implicated in their work and, consequently, draw attention to the parallelism that is possible to be established between women artists and writers who began exhibiting and publishing in the late 1960s and in the 1970s, both in Portugal and in England. On the other hand, given that a politics of location is an important notion for this doctorate project, this also aims to produce a situational analysis of the women and the work in question. Indeed, Chadwick and Roberts (who were born in culturally hybrid families) and Almeida (whose work is placed between a dictatorial and deeply patriarchal past and a democratic present) lead us to engage with a politics of location and with the concomitant juxtaposition of the terms ‘identity’ and ‘difference’.
Assumindo a contaminação e a liminaridade como metáforas metodológicas e teóricas centrais deste projecto de doutoramento, pretende-se investigar as estratégias de que se servem artistas contemporâneas, em particular Helen Chadwick, Michèle Roberts e Helena Almeida, na representação do corpo feminino e de experiências femininas subjectivas, bem como no seu relacionamento com a tradição artística e literária. Pretende-se ainda analisar o trabalho destas mulheres no seu contexto histórico e cultural, de forma a explorar a interacção existente entre o social, o subjectivo e o estético através de instâncias de representação visual e literária específicas. A investigação assumiu uma abordagem interartística ou intermedial e contaminou tal metodologia com as teorias desenvolvidas pela crítica feminista, especificamente aquelas relativas à representação literária e visual do feminino, bem como à política de género. Através desta metodologia, procura-se debater a forma como Helen Chadwick, Michèle Roberts e Helena Almeida articulam respostas semelhantes a uma série de questões motivadas por uma cultura falocêntrica e a sua representação do feminino. Adicionalmente, defende-se que essa semelhança resulta da sua posição enquanto mulheres (e mulheresartistas), que não só reflectem os problemas resultantes da inscrição da diferença sexual no domínio socio-cultural em geral e nas artes visuais e literatura em particular, mas também o profundo impacto gerado pela discussão e revisão feministas dessa mesma diferença sexual. As conclusões centrais desta tese são que Chadwick, Roberts e Almeida participam em uma ‘outra’ tradição literária e visual feita a partir do feminino, que tem subvertido normas e hierarquias dominantes, referentes ao sujeito feminino e sua representação. No caso do trabalho das artistas em questão, essa subversão verifica-se quer a nível temático (com a exploração de temas como a auto-representação, a maternidade, a esfera do doméstico e o corpo abjecto), quer a nível formal (no favorecimento de formas híbridas e media inovadores), e frequentemente evidencia um interesse no dialógico e em processos de contaminação (sagrado/ profano, abjecto/ belo, privado/ público, eu/ outro), em clara oposição ao binarismo falocêntrico. Por um lado, ao relacionar Chadwick, Roberts e Almeida, esta tese pretende debater a diferença sexual inerente ao trabalho destas mulheres e, consequentemente, chamar a atenção para o paralelismo passível de ser estabelecido entre escritoras e artistas plásticas que começaram a publicar e a exibir nos finais da década de 60 e nos anos 70 do século XX, tanto em Portugal como em Inglaterra. Por outro lado, dado que a política de localização é uma noção cara a este projecto de doutoramento, este também segue uma análise situacional das três artistas, bem como do seu trabalho. De facto, Chadwick e Roberts (que descendem de famílias culturalmente híbridas) e Almeida (cujo trabalho se situa entre um passado ditatorial e profundamente patriarcal e um presente democrático) obrigam-nos a pensar em uma política de localização e na concomitante justaposição dos termos ‘identidade’ e ‘diferença’.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese de doutoramento em Ciências da Literatura (área de especialização em Literatura Comparada)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/20771
AccessOpen access
Appears in Collections:CEHUM - Teses de Doutoramento
BUM - Teses de Doutoramento
ILCH - Teses de doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Maria Luísa de Sousa Coelho.pdf6,95 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID