Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/18730

TítuloColocação e cura de concreto auto-adensável em climas quentes
Autor(es)Calado, Carlos
Camões, Aires
Jalali, Said
Barkokébas, Beda
Carvalho, João R. de
Palavras-chaveConcreto auto-adensável (CAA)
Concreto convencional (CC)
Composição
Tempo
Data29-Mar-2012
Resumo(s)O concreto auto-adensável (CAA) deverá apresentar qualidade e custo compatíveis para ser competitivo em relação ao concreto convencional (CC). O CAA dispensa adensamento viabilizando obras com grande densidade de armadura, dificuldade de mão-de-obra qualificada, exigência de qualidade estética, durabilidade e rapidez de execução. Constata-se que o tempo de início e fim de pega dos CAA é um problema pouco estudado. Espera-se com o presente trabalho contribuir para aprofundar esta questão. Procurou-se adotar composição similar para CAA e CC, levando em consideração os constituintes usualmente empregados na região. Ensaios realizados: Cone Marsh, Resistividade Elétrica para pasta de CAA e Agulha de Vicat para pasta de CAA e CC. Os ensaios realizaram-se com três amostras de pasta de CAA e CC para cada temperatura: 25 o C, 32 o C, 38 o C e 45 o C. O objetivo foi estudar o comportamento das pastas de CAA e CC para as diferentes temperaturas, devido às conclusões aferidas para as pastas poderem ser extrapoladas para os concretos no estado fresco. Ressalta-se que o ensaio de Agulha de Vicat é um ensaio referenciado para determinação do tempo de início e fim de pega da pasta de cimento do concreto. Os resultados alcançados demonstraram coerência. Como esperado, na temperatura de 25 o C, o tempo de pega foi maior que na temperatura de 45 o C, sendo que para qualquer das temperaturas o tempo de pega foi bem maior para a pasta do CAA comparado ao CC devido aos aditivos aplicados ao CAA. Com os resultados, é possível concluir que a fluidez da pasta do concreto sofre maior influência da variação de temperatura e regula o tempo de transporte e de lançamento podemos concluir que o comportamento das pastas para CAA e CC permite incremento na utilização de CAA em lugar de CC, mesmo em países de clima quente.
TipoconferencePaper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/18730
Arbitragem científicayes
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:C-TAC - Comunicações a Conferências Nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
SINCO2012_Versão FInal.PDFartigo735,18 kBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis