Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/17348

TitleFronteira, memória e narrativa
Author(s)Cunha, Luís
KeywordsFronteira
Contrabando
Portugal
Espanha
Issue dateDec-2005
Abstract(s)Tendo deixado de ser um espaço de transgressão, a fronteira luso-espanhola transformou-se, mas não deixou de ser uma referência importante para as populações raianas. De um certo ponto de vista, ela continua mesmo a ser um recurso com que essas populações contam. Se a circulação clandestina de produtos, pessoas e ideias, deixou de marcar o quotidiano da fronteira, o valor da sua evocação mantém-na viva. Na vila portuguesa que estudámos (Campo Maior, perto de Badajoz), a fronteira apresenta-se como um importante móbil de circulação de narrativas, articulando fragmentos importantes da memória colectiva, definindo sentidos, legitimando relações, explicando a realidade social. A evocação da guerra civil de Espanha, por exemplo, permite distinguir comportamentos e esboçar um quadro ético: a ajuda solidária de um lado, a denúncia do outro. Da mesma forma, apesar de ser cada vez mais uma linha imperceptível, a fronteira continua a distinguir, passando por ela, ou pela sua memória, muitos dos processos de reivindicação identitária, revejam-se eles uma hipotética “cultura raiana”, ou no modelo da “identidade nacional”.
TypeConference paper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/17348
Peer-Reviewedno
AccessOpen access
Appears in Collections:CECS - Comunicações / Communications
NEA - Comunicações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Fronteira, memória e narrativa.pdf374,68 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID