Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/13909

TitleA criação de Garranos na Serra da Cabreira (Vieira do Minho) e o uso do fogo
Author(s)Gonçalves, António Bento
Vieira, António
Martins, Carla Oliveira
Leite, Flora Ferreira
Costa, Francisco da Silva
KeywordsUso do fogo
Garranos
Serra da Cabreira
Issue date2009
PublisherUniversidade do Minho. Núcleo de Investigação em Geografia e Planeamento (NIGP)
Abstract(s)O presente estudo, teve como principal objectivo contribuir para uma melhor compreensão da realidade do uso do fogo na renovação de pastagens em zonas de montanha, destacando-se a relacionada com a criação de Garranos, tendo em vista o delineamento de uma estratégia para enquadrar tecnicamente esta prática ancestral de uso do fogo. Nas últimas décadas, com particular importância nos anos 70, assistiu-se a um forte incremento do número de ocorrências e das áreas ardidas anualmente, na serra da Cabreira. Assistiu-se assim a uma viragem entre um período em que o fogo era parte integrante dos ecossistemas, e a actualidade, onde o fogo constitui uma séria ameaça ao desenvolvimento e ao ordenamento florestal (BENTO GONÇALVES, 2006). A redução do intervalo de tempo médio da repetição de fogos em áreas determinadas (ciclo do fogo), implica que nessas áreas, as espécies tolerantes ao fogo se tornem dominantes e as modificações de composição provocadas pelo fogo sejam pequenas. A ocorrência sistemática de incêndios conduz a uma degradação dos solos, impondo-se o estabelecimento de medidas de conservação e protecção, em detrimento de uma exploração florestal, que se perspectiva não sustentável, ou a condições de compartimentação efectiva que limitem a progressão de fogos de grandes dimensões (DRAEDM, 2006). O uso de fogo nestas áreas deve ser objecto de um apertado controlo, aconselhando a regulação da criação de gado e a racionalização das queimadas, que poderão, nalguns casos, ser substituídas pelo fogo controlado. Na serra da Cabreira, assistimos à diminuição do tempo médio necessário para que um mesmo local seja novamente percorrido por um incêndio, e parece estar a instalar-se uma tendência para uma migração dos incêndios para os locais mais elevados. De acordo com o PROF do Baixo Minho (2006), a recorrência de fogo nesta região, parece estar associada à pastorícia, nas regiões mais montanhosas, e à pressão demográfica nas regiões mais baixas.
TypeworkingPaper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/13909
ISSN1645-9369
Peer-Reviewedno
AccessopenAccess
Appears in Collections:GEO - Geo-working papers

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Gwp-Especial-n1-net.pdfDocumento principal11,29 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis