Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/13741

TitleOs fluxos e as remunerações de sub- e sobre-escolarizados em Portugal no período 1995-2005
Author(s)Cerejeira, João
Portela, Miguel
Sá, Carla Angélica da Silva Pinto de
Alexandre, Fernando
Issue date2007
PublisherUniversidade do Minho. Núcleo de Investigação em Políticas Económicas (NIPE)
Abstract(s)As alterações da oferta e da procura de qualificações ocorridas nas últimas décadas tornam pertinente o estudo do grau de desajustamento entre as qualificações escolares dos trabalhadores e os requisitos de qualificações ou competências dos postos de trabalho por estes ocupados. Neste trabalho a análise deste desajustamento assenta na diferença entre o número de anos de escolaridade que um dado trabalhador tem e o número de anos de escolaridade necessário ao desempenho das funções inerentes ao seu posto de trabalho. A escolaridade exigida pelo posto de trabalho foi calculada com base em duas medidas alternativas: (i) a educação adequada é definida em cada ano e para cada profissão a três dígitos como a média mais ou menos um desvio-padrão; (ii) a educação adequada assenta no cálculo da moda em cada ano e dentro de cada profissão definida a três dígitos. Se a diferença de escolaridade for nula haverá uma adequação perfeita; se for positiva ou negativa estaremos perante uma situação de sobre- ou de sub-escolaridade, respectivamente. A escolha destas medidas foi determinada pela disponibilidade dos dados nos Quadros de Pessoal. Foi construído um painel de dados de 1995 a 2005, que associa informação anual dos trabalhadores e das empresas. Neste trabalho é analisada a incidência da sub- e sobre-escolaridade, e as suas implicações para os salários e mobilidade dos trabalhadores. Em Portugal o fenómeno da sobre-escolaridade é mais relevante do que o fenómeno da subescolaridade. Durante o período em análise ambos registaram um aumento, sendo de destacar o aumento mais acentuado da incidência da sobreescolaridade. Esta é particularmente importante nos indivíduos com menos de 40 anos, e com uma formação ao nível do ensino superior. A remuneração de cada ano adicional de escolaridade para os indivíduos sobreescolarizados é marginalmente inferior ao prémio associado à educação dos indivíduos com escolaridade adequada. Pelo contrário, os indivíduos subescolarizados são penalizados na remuneração da sua educação. No que diz respeito à mobilidade dos trabalhadores, observa-se que os indivíduos sobreescolarizados apresentam uma maior mobilidade. Conclui-se também que a 6 mobilidade dos trabalhadores tem vindo a diminuir de forma acentuada desde 2002, independentemente do nível de adequação da sua escolaridade.
TypeReport
URIhttp://hdl.handle.net/1822/13741
Peer-Reviewedyes
AccessRestricted access (UMinho)
Appears in Collections:NIPE - Relatórios Técnicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Os Fluxos e as Remunerações de Sub- e Sobre-.pdf
  Restricted access
Os Fluxos e as Remunerações de Sub- e Sobre-Escolarizados em Portugal no Período 1995-2005733,45 kBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID