Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/1822/13736

TitleHistórias e trajectórias de consumidores ‘não problemáticos’ de drogas ilícitas
Author(s)Cruz, Olga Furriel de Souza
Advisor(s)Machado, Carla
Fernandes, José Luís Lopes, 1961-
Issue date7-Jun-2011
Abstract(s)O objectivo central desta investigação é construir, indutivamente, um modelo teórico para compreender de que modo certos utilizadores de drogas ilícitas conseguem manter os seus consumos „não problemáticos‟. Com este estudo pretende contribuir-se para uma intervenção mais efectiva na minimização de padrões „problemáticos‟ e para um debate mais complexo sobre o fenómeno, reconhecendo a multiplicidade de tipos de consumos e de consumidores. Tais propósitos, aliados ao parco conhecimento sobre utilizações „não problemáticas‟ e ao carácter frequentemente „oculto‟ dos seus protagonistas, justificam a opção por um design de investigação qualitativo. Começaram por se realizar entrevistas em profundidade a uma amostra intencional, diferenciando-se três grupos de consumidores: „não problemáticos‟ (n=9), „exproblemáticos‟ (n=6) e „problemáticos‟ (n=6). Com base nos resultados do primeiro grupo construiu-se uma primeira versão da referida teoria, que foi, depois, enriquecida e validada através de uma nova consulta a estes participantes e da triangulação de fontes (entrevistas com outros grupos) e de metodologias (observação directa em contexto natural do uso de substâncias psicoactivas). O acesso aos sujeitos foi conseguido com uma estratégia do tipo snowball, tendo-se partido de informantes privilegiados. A análise dos dados baseou-se nas propostas da grounded analysis (Glaser & Strauss, 1967; Strauss & Corbin, 1990/1998). O material empírico obtido com as entrevistas aos três grupos e com a observação é amplamente congruente entre si. Sucintamente, a sua integração sugere que os consumos tendem a iniciar-se pela curiosidade sobre as drogas e pelas vivências com consumidores, sobretudo por estes facilitarem o acesso às substâncias. Tal iniciação tende a ocorrer com a cannabis, seguindo-se um período, mais ou menos longo, de experimentação de outras drogas ilegais, sobretudo estimulantes e alucinogéneos. De acordo com os resultados, a manutenção de um consumo „não problemático‟ implica um processo constante de auto-regulação do uso das drogas que é informado, desde logo, por características dos consumidores, como a sua capacidade de auto-controlo. É-o também pela qualidade das experiências de consumo, já que os indivíduos vão moldando a utilização das drogas em função delas. Em concreto, as experiências positivas, que proporcionam prazer e que são as mais comuns, contribuem para a sua manutenção. Os aspectos negativos experienciados com certas substâncias, apesar de insuficientes para a cessação dos consumos, contribuem para a sua adaptação, num esforço de os evitar. Finalmente, algumas experiências realmente negativas com o uso de certas drogas, ainda que mais raras, fazem com que aquelas não voltem a ser usadas. Tal processo de auto-regulação é ainda informado pelas vivências com outros consumidores, pois operam como importantes meios de aprendizagem sobre as drogas. Além disso, envolve a ponderação constante da relação entre os custos e os benefícios desta prática, o desenvolvimento de concepções de risco e, em função destas, a adopção de cuidados de gestão dos consumos, ainda que, muitas vezes, de uma forma não conscientemente pensada nem aplicada. Realçam-se os cuidados que se referem ao tipo de substâncias usadas e à regularidade da sua utilização, pois é em torno destes que tende a definir-se o padrão de consumo actual. Este padrão, que tende a perdurar alguns anos e a não ser algo fugaz, envolve, em geral, o uso regular de canabinóides e a utilização apenas ocasional de todas as outras drogas ilícitas, sobretudo estimulantes. Na nossa amostra, estes e outros cuidados são desenvolvidos com o intuito de manter a funcionalidade nas várias áreas de vida, o que envolve três sub-objectivos: (i) controlar o consumo (através de cuidados relacionados com o tipo de drogas usadas, a regularidade e frequência dos consumos e os seus contextos e circunstâncias); (ii) preservar a imagem social e evitar o estigma (mediante cuidados relativos à ocultação do uso de drogas, à gestão da sua aquisição e aos contextos e circunstâncias do consumo); e (iii) obter efeitos positivos e evitar experiências desagradáveis (a partir de cuidados associados às quantidades e ao tipo de substâncias usadas, aos contextos e circunstâncias dos consumos e às vivências com outros consumidores). Em conclusão, este trabalho revela a necessidade de encarar o consumo de drogas ilegais em toda a sua complexidade e como um contínuo, desde um pólo „problemático‟ a outro „não problemático‟. Sugere, também, a relevância de aprender com este último tipo de experiências, de modo a potenciar consumos „responsáveis‟ e a minorar padrões „problemáticos‟. Além disso, aponta para a importância de promover estratégias de gestão dos prazeres e dos riscos, e de agir, inclusive através de pares, para estimular o envolvimento dos consumidores nos esforços interventivos e a concretização de um trabalho horizontal, dinâmico e em contexto natural.
The main objective of this research is to construct, inductively, a theoretical model to understand how certain users of illegal drugs manage to keep their consumption „non-problematic‟. With this study we want to contribute to a more effective intervention in minimizing the patterns of problematic use, and to encourage a more complex debate about this phenomenon, recognizing the multiplicity of types of use and users. These aims, along with the scanty knowledge regarding „nonproblematic‟ patterns of use and the frequently „hidden‟ nature of its protagonists, justify the option for a qualitative research design. First, in-depth interviews were conducted with an intentionally selected sample, composed by three groups of users: „non-problematic‟ (n=9), „ex-problematic‟ (n=6) and „problematic‟ (n=6). Based on the results of the first group the theoretical model was constructed, and, posteriorly, broadened and validated by means of a new consultation with these participants and a triangulation of sources (interviews with other groups) and methodologies (direct observation, in the natural context, of the use of psychoactive substances). Access to the subjects was achieved through snowball-type sampling, beginning with privileged informants. Analysis of the data was based on grounded analysis procedures (Glaser & Strauss, 1967; Strauss & Corbin, 1990/1998). The empirical material obtained from interviews with the three groups and from the observation is amply congruent in itself. Briefly, the integration of this material shows that consumption tends to begin with curiosity about drugs and by experiences with users, especially since they facilitate access to the substances. This initiation tends to occur with cannabis, followed by a more or less lengthy period of experimentation with other illegal drugs, especially stimulants and hallucinogens. According to the results, maintaining „non-problematic‟ consumption implies a constant process of selfregulation of drug use which is influenced, from the start, by the characteristics of the users, such as their capacity for self-control. It is also influenced by the quality of the experiences of consumption, since it is around these that individuals shape the use of the drugs. In particular, positive experiences, which bring pleasure and are the most common, contribute to continuing use. The negative aspects experienced with certain substances, although not enough to halt consumption, contribute to changes in its use, in an effort to avoid them. Finally, some really negative experiences with the use of certain drugs, although more infrequent, cause them not to be used again. This process of selfregulation is also influenced by experiences with other users, since they serve as important sources of information about the drugs. Besides, there is a constant weighing of the relationship between the costs and benefits of this practice, the development of concepts of risk and, as a function of these, the adoption of precautions for managing consumption, even if frequently these are not consciously thought out or applied. These precautions refer mainly to the type of substances used and the regularity of its use, since it is around these that the actual pattern of use tends to be defined. This pattern, which tends to last several years and not be something fleeting, generally involves the regular use of cannabinoids and the only occasional use of all the other illegal drugs, especially stimulants. In our sampling, these and other precautions are developed with the intent of maintaining functionality in the different areas of life, which involves three sub-objectives: (i) controlling consumption (through precautions related with the type of drugs used, the regularity and frequency of use, and its contexts and circumstances); (ii) maintaining social image and avoiding stigma (through precautions regarding hiding the use of drugs, managing their acquisition and selecting the contexts and circumstances of use); and (iii) achieving positive effects and avoiding unpleasant experiences (through precautions associated with the quantity and the type of substances used, the contexts and circumstances of the uses and experiences with other users). In conclusion, this project reveals the need to face illegal drug use in all of its complexity and as a continuum, from the „problematic‟ experiences at one end to the „non-problematic‟ ones at the other. It also suggests the relevance of learning from this last type of experiences, in order to increase „responsible‟ consumption and minimize „problematic‟ patterns. Furthermore, it points out to the importance of promoting strategies to manage enjoyment and risks, as well as acting, namely, through peers, to stimulate the involvement of users in the efforts of intervention and to achieve a dynamic and horizontal work, in a natural context.
TypeDoctoral thesis
DescriptionTese doutoramento em Psicologia (área de especialização em Psicologia da Justiça)
URIhttp://hdl.handle.net/1822/13736
AccessOpen access
Appears in Collections:BUM - Teses de Doutoramento
CIPsi - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Olga Furriel de Souza Cruz.pdf2,33 MBAdobe PDFView/Open

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu ORCID