Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/11546

TítuloFilosofia e Republicanismo em Cícero
Autor(es)Rocha, Acílio da Silva Estanqueiro
Palavras-chaveCícero
República
Sonho de Cipião
Data2010
EditoraUniversidade do Minho. Centro de Estudos Humanísticos (CEHUM)
Citação“O além, a ética e a política : em torno do Sonho de Cipião”. Org. Virgínia Soares Pereira. Vila Nova de Famalicão : Edições Húmus, 2010. ISBN 978-989-8139-60-3. p. 9-29.
Resumo(s)É em "De Republica" que Cícero (106-43 a.C.) trata das bases fundacionais do Estado, em demanda, na senda de Platão, de um sistema político ideal, mas impregnado pelo pragmatismo romano. A questão desenrola-se em torno da melhor forma de governo, mas temas como a justiça, a equidade e a educação, mostram-se essenciais na análise; entretanto, o debate empreendido, traz outros temas à discussão, desde as características do verdadeiro estadista, a injustiça, a tirania, a dissolução dos costumes. Neste “Tratado da República” (constituído por seis livros), é eleita a forma de diálogo (como nos diálogos platónicos), em que algumas personalidades, reunidas, debatem esses vários assuntos, que parecem aflorar espontaneamente, numa conversação livre. Orador, estadista e pensador latino, Cícero tornou-se o modelo da expressão latina clássica, caracterizada pela pureza e elegância harmoniosa do estilo. Se, em última instância, é a forma de governo misto a que é proposta, à luz da idiossincrasia romana, resultante do aproveitamento do melhor das três formas clássicas, Cícero, pela boca de Cipião – personagem central do diálogo –, revela que o ponto nevrálgico é aquele em que a liberdade se reencontra com o soberano poder do povo: “(…) e cada República é tal qual a natureza ou a vontade de quem a rege. Assim, em nenhuma outra cidade a liberdade encontra acolhimento a não ser naquela em que o poder supremo pertence ao povo. E nada consegue ser mais doce do que ela, e se ela não for igual, nem sequer é liberdade” (I, 47). O itinerário culmina no Livro Sexto, n’O Sonho de Cipião ("Somnium Scipionis"), onde, depois de muitos circunlóquios, Cipião é instado a dar sua opinião; trata-se agora do prémio que aguarda o estadista ideal, que só no além pode esperar-se; todavia, esse anelo não deixa de incitar à vida activa. Se a prática da virtude política é enaltecida, apresentada como actividade digna do sábio, é porque o bom exercício do governo é um requisito para que as virtualidades da sabedoria estejam em consonância com o Cosmos: somos então transportados, em estilo elegante e espiritualista, a uma paisagem cósmica espiritual, onde nos sentimos em contacto com o infinito do espaço e a eternidade do tempo, com que Cícero encerra a sua obra numa tensão entre “vida contemplativa” e “vida activa”.
TipobookPart
URIhttp://hdl.handle.net/1822/11546
ISBN978-989-8139-60-3
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CEPS - Publicações dos investigadores do CEPS
CEH - FC - Livros e Capítulos de Livros

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Cícero.pdf9,69 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis