Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/1822/10008

TítuloEstilos de liderança e escola democrática
Autor(es)Torres, Leonor Lima
Palhares, José Augusto
DataNov-2009
EditoraInstituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. Secção da Sociologia da Educação da Associação Portuguesa de Sociologia
CitaçãoABRANTES, Pedro, [et al.] – “Actas do Encontro Contextos Educativos na Sociedade Contemporânea, Lisboa, 2009” [Em linha]. 2ª ed. Lisboa : Secção de Sociologia da Educação da Associação Portuguesa de Sociologia, 2009. [Consult. 2009-01-06]. Vol. 1 – Comunicações. Disponível em WWW:<URL:http://www.aps.pt/?area=013>. ISBN 978-972-95945-6-4.
Resumo(s)O sistema educativo português tem assistido, nas últimas duas décadas, ao aparecimento de medidas de política educativa cuja agenda reformista tem dado importância crescente às dimensões da gestão e da liderança escolares. O sentido das mudanças ao nível da direcção e gestão das escolas tem caminhado para a implementação de uma estrutura de governação que seja capaz de “reforçar a eficácia da execução das medidas de política educativa e da prestação do serviço público de educação” (Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de Abril), o que se traduz no abandono de modelos mais colegiais e democráticos e a adopção de modelos mais unipessoais e profissionalizados. Ao longo deste percurso marcado por ensaios e reajustamentos morfológicos nos órgãos de gestão, denota-se uma valorização crescente do papel das lideranças no desenvolvimento da autonomia das escolas. Percepcionada politicamente como uma solução óptima para a resolução dos problemas da indisciplina, do abandono e do insucesso, a liderança emerge paulatinamente como uma variável de controlo da excelência escolar, ao arrepio de uma cultura de gestão colegial historicamente enraizada nas escolas portuguesas. Apesar de serem claras as influências de inspiração neoliberal na forma como se reduz a realidade educativa a indicadores de natureza gerencialista, é interessante, mesmo assim, problematizar a natureza da relação entre os estilos de liderança e gestão e os resultados escolares e o seu impacto no desenvolvimento democrático da escola. Neste sentido, partindo da análise crítica aos Relatórios de Avaliação Externa das Escolas, elegemos como objectivo central desta comunicação a discussão dos significados conferidos a uma “boa liderança”, a uma “boa organização e administração escolar” e à sua eventual relação com os resultados escolares, de modo a compreendermos quais as tensões que este processo avaliativo comporta no plano das configurações e das práticas organizacionais das diferentes escolas-objecto. Interrogamo-nos se este processo não constituirá uma espécie de “missionarismo gestionário”, que subverte as lógicas de decisão autónoma e democrática das escolas?
TipoconferencePaper
URIhttp://hdl.handle.net/1822/10008
Arbitragem científicayes
AcessoopenAccess
Aparece nas coleções:CIEd - Textos em volumes de atas de encontros científicos nacionais e internacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Páginas de Páginas de FCH4b11c4088da30.pdf1,13 MBAdobe PDFVer/Abrir

Partilhe no FacebookPartilhe no TwitterPartilhe no DeliciousPartilhe no LinkedInPartilhe no DiggAdicionar ao Google BookmarksPartilhe no MySpacePartilhe no Orkut
Exporte no formato BibTex mendeley Exporte no formato Endnote Adicione ao seu Currículo DeGóis